31 de outubro de 2016

'Choro de Minas' celebra 10 anos de carreira no Globo Horizonte.



O grupo "Choro de Minas" formado pelos músicos Marcos Flávio (trombone), Dudu Braga (Cavaquinho), Silvio Carlos (violão 7 cordas) e Ramon Braga (Pandeiro) está completando 10 anos de existência.  A comemoração  foi marcada pela gravação de um  DVD ao vivo, tendo como cenário a Casa de Cultura Josephina Braga, em Betim.  Foi ali também que o programa Globo Horizonte, que foi ao ar no último domingo, registrou a edição: "Choro de Minas celebra 10 anos de carreira". 

Durante a entrevista, o quarteto contou  detalhes sobre a história do grupo, as trajetórias individuais de cada músico e muito sobre o Choro no cenário da música instrumental brasileira e sua  relação com a música erudita. Os grandes compositores e os novos chorões foram lembrados, assim como a importância dos Clubes do Choro de BH e Betim na divulgação deste gênero genuinamente brasileiro. Além de uma boa conversa, os músicos ainda nos brindaram com a execução de várias composições registradas no DVD.

Assista o programa completo através do link : 'Choro de Minas' celebra 10 anos de carreira no Globo Horizonte

27 de outubro de 2016

CHORINHO É PURA GENTILEZA!

Evento na Praça da Liberdade tem como foco a gentileza e prevê oficinas, debates, piquenique e Chorinho.

De 26 a 30 de outubro, aconte em BH o Festival da Gentileza, um evento colaborativo que desenvolverá ações pela cidade com o objetivo de pôr em pauta a cordialidade na vida urbana, além de discutir e inspirar atitudes transformadoras. Por exemplo, o ato de jogar lixo na rua, ou  a buzinação desnecessária, e ainda os xingamentos e a agressividade no trânsito. 
Ao tema da gentileza se somarão outras questões. A sustentabilidade é uma delas, assim como a alimentação, a necessidade de estimular a reflexão e o cuidado com a memória urbana. 

Chorinho como gentileza
Entre outras e diversificadas atrações, o festival traz a música como um aspecto gentil que perpassa nossas vidas e apresenta o Trio Bola Preta, que faz show no próximo sábado, 29 de outubro, às 14 horas, na Praça da Liberdade. 
O trio que se encontra em campanha de financimanto coletivo para gravação do seu segundo álbum, "Chorando Pelo Mundo", com composições inéditas de chorões de diferentes nacionalidades, utiliza  a colaboração - aspecto importante da gentileza -  para aglutinar forças. 

O Bola Preta nasceu em 2011 na Holanda, do encontro de três músicos com diferentes formações que tinham em comum a paixão pelo Choro e pela música brasileira. Atualmente radicado no Brasil é formado por Mariana Bruekers (MG/Brasil) na flauta, Francisco Medina (Lisboa/Portugal) no violão de 7 cordas e Natália Mitre (MG/Brasil) no pandeiro. 
O som do Trio combina a multiculturalidade e as diferentes influências dos músicos com outros rítmos e estilos como o Fado, Salsa, Maracatú, Frevo e Baião em arranjos dos melhores choros do repertório brasileiro e composições próprias e de amigos. 

Confira aqui  a programação completa.


20 de outubro de 2016

" Choro de cavaquinho": Eduardo Macedo e Jorge Bonfá se apresentam neste sábado, no Espaço Diadorim.


Os instrumentistas Eduardo Macedo e Jorge Bonfá apresentam neste sábado, 22 de outubro, o show "Choro de Cavaquinho". A apresentação acontece no Diadorim Bar Cultural, em Santa Tereza. Programe-se.

SERVIÇO
Eduardo Macedo e Jorge Bonfá em: "Choro de Cavaquinho"
Data: 22 de outubro de 2016
Horário: 20h30
Local: Diadorim Bar Cultural - Rua Mármore, 200 - Bairro Santa Tereza
Couvert artístico: R$10,00
Informações: (31) 3566-1263

19 de outubro de 2016

1º Encontro Nacional de Bandolinistas acontece na próxima semana, com quinze palestras online e pela internet.



O primeiro Encontro Nacional de Bandolinistas - EBANAN, evento inédito e 100% online pela internet, acontece de 25 a 31 de outubro. Durante 7 dias, 15 convidados especiais, bandolinistas, pesquisadores, luthierse outros artesãos, irão debater o bandolim em todas as suas vertentes. falar sobre carreira musical, material didático, estudo, técnica, a escola brasileira do bandolim, o bandolim e seus "primos" sul-americanos e outros temas relacionados.
Um encontro e conteúdo valiosíssimos para o bandolim brasileiro e você não pode perder.
As incrições podem ser realizadas através so site oficial do evento.

18 de outubro de 2016

QUINTO DO CHORO NO PEDACINHOS DO CÉU.

Grupo Quinto do Choro - Foto: Santa Tereza Tem

O Quinto do Choro é o convidado desta quinta, 20, na roda do Pedacinhos do Céu. O Grupo formado por André Oliveira no violão, Filipe Dutra no cavaquinho, Sandra Leão no pandeiro, Nath Rodrigues no violino e André Siqueira na flauta se apresenta a partir das 21 horas, no mais tradicional recanto do Choro da capital.
Programe-se para este encontro marcado com chorinho da melhor qualidade.

SERVIÇO
Pedacinhos do Céu apresenta: Grupo Quinto do Choro
Data: 20 de outubro (quinta-feira)
Horário: 21 horas
Local: Bar Pedacinhos do Céu - Rua Belmiro Braga, 774- Bairro Alto Caiçara. BH
Informações: (31) 3462-2260
Couvert artístico individual: R$10,00 - Forma de pagamento: dinheiro ou cheque.

17 de outubro de 2016

Projeto Quarta Instrumental apresenta: Marcela Nunes e Renato Muringa no show "Em Casa".


Os músicos Marcela Nunes e Renato Muringa apresentam na próxima quarta, 19 de outubro, o show autoral "Em Casa". O espetáculo será às 19 horas, dentro do Projeto Quarta Instrumental do Sesc Paladium. 
A dupla de compositores mineiros possui um trabalho baseado em sonoridades brasileiras, como o choro, o maxixe, a valsa e a polca, trazendo ao show uma experiência musical acolhedora, alegre e inédita. Programe-se

SERVIÇO
Projeto Quarta Instrumental apresenta: Marcela Nunes e Renato Muringa no show "Em Casa"
Data: 19/10/2016
Horário:19h30
Local: Teatro de Bolso Júlio Mackenzie do Sesc Palladium - Endereço: Av. Augusto de Lima, 420, Centro BH
Ingressos: R$ 10 (inteira) - compre aqui:goo.gl/Uw24no

14 de outubro de 2016

BH recebe a sexta edição do Festival Choro e Samba e vive momentos especiais, com muitas atrações e grandes artistas nas praças.

O Festival Choro e Samba de BH, uma realização do Clube do Choro de BH e Minas Gestão Cultural, com produção da Idear Produção agitou a capital mineira durante três dias, levando às praças da cidade, o melhor dos mais genuínos gêneros da música brasileira.

Músicos do Clube do Choro de BH e no comando, o Presidente Acir Antão, na abertura do Festival Choro e Samba BH.
Foto: Actionbhz
As praças Afonso Arinos, no Centro (7/10) e Duque de Caxias, em Santa Tereza (11 e 12/10), receberam renomados artistas e grupos. O sucesso de público em todos os dias do evento demonstrou que o festival cumpriu seu grande objetivo: proporcionar aos amantes de longa data dos gêneros, e aos futuros apaixonados, a oportunidade de desfrutar de uma bela amostra do que temos hoje no pais, nestas duas grandes vertentes musicais. Confira um pouco mais desta festa sonora.

O palco da Praça Duque de Caxias recebeu grandes nomes do Samba e do Choro nacional - Foto: Actionbhz

O Show de abertura na sexta,7 ficou a cargo do Mestre Samba e do  Clube do Choro de BH.

Mestre Samba - Foto: Actionbhz
Vídeo: Amilton Faria

A festa continuou na terça, 11, em Santa Tereza, com o grupo BH Choro: Sílvio Carlos no violão de sete cordas, Marcos Flávio no trombone, Dudu Braga no cavaquinho, Ramon Braga no pandeiro se apresentou com seus convidados especiais: Ausier Vinícius no cavaquinho e Ronaldo do Bandolim.
A noite ficou ainda mais estrelada com a presença de Silvério Pontes, o mestre do Piston.

Grupo Choro BH muito bem acompanhdo por Ronaldo do Bandolim e o Produtor do Evento, Paulo Ramos. Foto: Actionbhz / Vídeos: Amilton Faria



O Samba ocupou o palco e a praça, através da simpatia e talento de Fabinho do Terreiro e sua banda.

Fabinho do Terreiro - Foto: Actionbhz


Vídeo: Amilton Faria

O grande show de encerramento aconteceu no feriado de 12 de outubro, e levou um público extraordinário à Praça Duque de Caxias para prestigiar e se deleitar com o autêntico samba de Pirulito da Vila e o mais tradicional conjunto de choro do Brasil: o Conjunto Época de Ouro.

O sambista Pirulito da Vila e seu grupo agitaram o início da tarde em Santa Tereza. Foto: Actionbhz.


O sambista Pirulito da Vila lembrando Dona Ivone Lara com o samba "Alguém me avisou"
 e  Toninho Geraes e Paulinho Rezende com sua composição "Alma Boêmia". Vídeo: Amilton Faria

Fundado em 1964 por Jacob do Bandolim, o Conjunto Época de Ouro subiu ao palco levando consigo meio século de Choro genuíno. 

O Conjunto Época de Ouro, com meio século de existência,  levou ao palco a história viva do Choro . Foto: Actionbhz


O Conjunto Época de Ouro, saudando Pixinguinha, tocou "Mestre Pixinga", polca de composição do flautista Antônio Rocha. Vídeo: Amilton Faria.

O Clube do Choro de BH já se prepara mais mais promoções ainda este ano e pretende agitar com novos shows e muitas outras atrações que valorizem e divulguem o melhor do Choro e da música brasileira. Acompanhe nossas agendas e associe-se ao Clube. 

13 de outubro de 2016

Hélio Pereira se apresenta hoje, no comando do seu regional.


O multinstumentista Hélio Pereira é um dos sócios fundadores do Clube do Choro de BH. Possuidor de técnica e conhecimento musical impecáveis, é também reconhecido como excelente compositor. Ele se apresenta nesta quinta, no Bar o Muringueiro, executando seu bandolim e no comando do seu regional. Ao seu lado estarão Marcelo Issa, Rafael Zavagli e Daniel Nogueira. O evento começas às 19 horas. Programe-se.

SERVIÇO
Roda de Choro com Regional do Pereira
Data: 13/10 (quinta)
Horário: 19 horas
Local: O Muringueiro - Rua Juacema, 416 - Bairro da Graça - Belo Horizonte
Entrada: R$10,00
Informações: contato@muringa.com.br

12 de outubro de 2016

Festival Choro e Samba de BH encerra hoje com grandes atrações.

Conjunto Época de Ouro e Pirulito da Vila se apresentam em Santa Tereza.



Com uma realização conjunta da Minas Gestão Cultural e Clube do Choro de Belo Horizonte, a sexta edição do Festival Choro e Samba de BH chega ao seu terceiro e último dia, trazendo grandes atrações em seu show de encerramento. O Conjunto Época de Ouro e o sambista Pirulito da Vila se apresentam a partir das 17 horas, na Praça Duque de Caxias (bairro Santa Tereza).



A programação começa, com o itabirano Gilmar Styerfeson, o conhecido Pirulito da Vila, um prodígio em matéria de música. 
Pirulito da Vila - foto: Gilson Fernandes
Pirulito começou sua carreira ainda criança, quando aos sete anos foi ritmista na Escola de Samba em Cima da Hora em sua cidade natal e aos quatorze ingressou no Axé Igbá, grupo rítmico com fortes raízes na cultura negra. Ali, rapidamente se tornou mestre de bateria. Aos dezenove montou ao lado de Tico e Beto Senegal, a Banda Senegal, onde teve as suas primeiras músicas gravadas. Foram elas: “Ui, Ui, Ui” e “Swing do Negão”. Posteriormente se integrou ao grupo Mistura Brasileira, tendo quatro músicas de sua autoria gravadas pelo grupo: “Diz que me ama”, “É paixão”, “Cavaco no Morro” e “Samba do Trenzinho”.
Pirulito da Vila tem ainda uma importante passagem pelo grupo Cachaça com Arnica. Com o grupo compôs vários sambas e gravou, acompanhado por este, seu primeiro CD e vídeo clipe, imortalizando a Mercearia Paraopeba, ponto turístico de Itabirito, reconhecido internacionalmente.
Outros projetos importantes na carreira de Pirulito foram a gravação do cd de Thelmo Lins, somente com músicas de sua autoria, que contou com a participação do cantor Vander Lee e a gravação do samba “Convite para sambar”, de sua autoria, pelo premiado sambista carioca Marquinhos Sathan, samba que deu o nome ao mais recente CD do artista carioca.
Além de se apresentar ao lado de artistas como Arlindo Cruz, Bete Carvalho e Almir Guineto, no tradicional espaço de samba Beco do Rato, no Rio de Janeiro, também foi gravado por grandes nomes do Samba de Minas, como Marina Gomes e Ricardo Barrão.
Em 2015 lançou seu CD, batizado de “Tudo começa em Samba”, que é o resultado de muitos anos de batalha e experiências profissionais enriquecedoras. O trabalho apresenta um artista maduro e experiente, que se revela um sambista de primeira grandeza. 

Conjunto Época de Ouro. - foto:Camila Torzacki
Na sequência, às 18h30, o Conjunto Época de Ouro, o mais tradicional conjunto de choro do Brasil, fundado em 1964 por Jacob do Bandolim, sobe ao palco levando consigo meio século de Choro genuíno. O Conjunto tem uma carreira sólida construída com diversos espetáculos por todo o país levando às plateias arranjos elaborados interpretados com maestria por componentes exigentes.
Inicialmente o conjunto acompanhava Jacob do Bandolim que em alguns anos já se integrou aos demais, mantendo somente a denominação atual. César Faria, pai de Paulinho da Viola, comandava os baixos no violão de 6 cordas ao lado de Dino 7 Cordas que “brincava” com suas interpretações inacreditáveis que originou uma técnica específica de tocar o instrumento utilizada e admirada até hoje. O pandeiro era conduzido por Gilberto D´Ávila que logo deu lugar ao único remanescente da Época de Jacob até hoje que transformou em sobrenome o instrumento que lhe deu o título de maior pandeirista do Brasil: Jorginho do Pandeiro logo se juntaria ao grupo que também contava com o exímio solista Jonas da Silva ao cavaquinho.
Com a saída ou falecimento de integrantes, foram incorporados os músicos Walmar Amorim (cavaquinho de 1984 a 1988) substituído em seguida por Jorge Filho, no conjunto há mais de 25 anos. Os violões também se renovaram com Tony Azeredo, grande estudioso da história do choro e André Bellieny com 6 cordas incorporado ao Conjunto após o falecimento de César Farias. 
O instrumento símbolo do Conjunto Época de Ouro parou de tocar em 13 de agosto de 1969 quando Jacob do Bandolim deixava órfão não só o Época de Ouro mas toda uma classe de músicos, adoradores e amigos. Com seu falecimento muitos compromissos foram adiados e neste tempo o Conjunto atravessou um luto de três anos sem apresentações e aparições. 
Porém, por iniciativa de Paulinho da Viola, o Conjunto retomou suas atividades em 1973, em grande estilo, no famoso espetáculo SARAU, dando origem, inclusive ao Clube do Choro - idealizado por Paulinho da Viola e o crítico Sérgio Cabral num movimento, em todo o país em busca de dar maior amplitude a este gênero musical.
No comando do bandolim, o renomado músico Déo Rian que no mesmo ano seria sucedido por Ronaldo do Bandolim, virtuoso consagrado que dá o tom do Época até hoje em performances inigualáveis. Em 2006, também passou a integrar o Conjunto o flautista Antônio Rocha, reconhecido amplamente na música instrumental por solos perfeitos mostrando que mesmo após 40 anos o Época de Ouro traria uma novidade ao choro já clássico e inebriante.
Durante as 5 décadas comemoradas em 2014, o Conjunto, juntamente com Jacob do Bandolim de cuja discografia não há como desvincular, gravou mais de 40 discos.
Desde 2005, o Conjunto Época de Ouro tem um programa semanal, transmitido ao vivo pela Rádio Nacional Rio e pelo portal na internet [www.ebc.com.br] com a participação fiel da plateia que comparece a Sala FUNARTE no Rio de Janeiro, voltando no tempo, à época de ouro do rádio.

A produção do Festival Choro e Samba de BH está a cargo da IDEAR PRODUÇÕES CULTURAIS.

10 de outubro de 2016

Festival Choro e Samba de BH continua nesta terça, com Grupo BH Choro, Silvério Pontes, Ronaldo do Bandolim e Fabinho do Terreiro.

Fabinho do Terreiro (Foto: Liu Soares) e Silvério Pontes (foto: C. Junior Conegundes) se apresentam nesta terça, 
além dos grupos BH Choro e Ronaldo do Bandolim. 

Os shows do Festival Choro e Samba de BH continuam nesta terça, 11 de outubro, na Praça Duque de Caxias, em Santa Tereza. 
Apresentam-se o grupo BH Choro, o trompetista fluminense Silvério Pontes (que lança seu primeiro disco solo, Reencontro) e Ronaldo do Bandolim, craque das cordas que 'bate ponto' no Conjunto Época de Ouro e no Trio Madeira Brasil. 
Também subirão ao palco, Silvio Carlos (violão de sete cordas), Marcos Flávio (trombone), Dudu Braga (cavaquinho) e Ramon Braga (pandeiro). A seguir, será a vez de Fabinho do Terreiro, cavaquinista e compositor 'cevado' nos terreiros de BH. Suas canções estão em discos de Zeca Pagodinho (Desacerto, parceria com Toninho Gerais e Randley Carioca) e Agepê (Sentimento verdadeiro), além de Leci Brandão, Almir Guineto e Katinguelê.

O Festival Choro e Samba está em sua sexta edição e tem como objetivo proporcionar aos amantes de longa data dos gêneros, e aos futuros apaixonados, a oportunidade de desfrutar de uma bela amostra do que temos hoje no pais, nestas duas grandes vertentes musicais. Belo Horizonte sempre admirou e aplaudiu estas paixões nacionais. Na cidade, a quantidade de artistas dedicados ao Choro é superior a grande maioria das outras capital brasileiras, rivalizando-se, até mesmo com o seu berço, o Rio de Janeiro. Temos aqui vários locais onde, durante toda a semana, existem apresentações de Choro. O Clube do Choro de Belo Horizonte também movimenta este cenário com várias promoções e apresentações.
O festival Festival Choro e Samba é uma realização conjunta da MGS - Minas Gestão Cultural e do Clube do Choro de BH, com produção da Idear Produções Culturais.

SERVIÇO
6 Edição Festival Choro e Samba de BH
Data: Terça - 11/10/2016
Horário/Programação:
19h – BH Choro, Silvério Pontes e Ronaldo do Bandolim
20h30 – Fabinho do Terreiro
Local: Praça Duque de Caxias, Santa Tereza.
Entrada: franca

Shows de abertura do Festival Choro e Samba de BH agitam a Praça Afonso Arinos, no Centro da Capital.



Na última sexta feira, 7 de outubro, os shows de abertura da 6ª edição do Festival Choro e Samba de BH agitaram o fim de tarde e a noite do público presente na Praça Afonso Arinos, localizada próxima à Av João Pinheiro, no centro de BH. 
O grupo Mestre Samba e músicos do Clube do Choro de BH subiram ao palco e fizeram o público se divertir, dançando e cantando temas dos mais legítimos gêneros musicais da música brasileira.
O festival continua esta semana com mais atrações na terça e quarta, na Praça Duque de Caxias (bairro Santa Tereza). Fique atento e acompanhe a programação.

7 de outubro de 2016

COMEÇA HOJE A SEXTA EDIÇÃO DO FESTIVAL CHORO E SAMBA DE BELO HORIZONTE.



Várias são as matizes na música popular brasileira. Mas, dentro deste contexto, dois gêneros musicais, com toda a certeza, tem a preferência do público. São eles, o Choro e o Samba. Daí a origem do "Festival Choro e Samba" que tem hoje a abertura de sua sexta edição, a partir das 17 horas, com apresentação do grupo Meste Samba e, às 18h30, um super show com músicos do Clube do Choro de BH. 
As atrações acontecem na Praça Afonso Arinos, no cruzamento da Av. João Pinheiro, Augusto de Lima e Álvares Cabral. Será uma noite muito mineira, pois o local de realização do projeto foi escolhido para homenagear os compositores mineiros Gervásio Horta, Lagoinha e Geraldinho Alvarenga. Mais apropriado impossível, pois na rua Bahia esquina de Guajajaras está o monumento dedicado a Rômulo Paes, também um dos homenageados.

PROGRAMAÇÃO
Durante três dias, Belo Horizonte vai mergulhar no melhor da nossa música. Serão seis apresentações, igualmente dividas por cada gênero. O projeto prossegue nos dias 11 e 12 de outubro com outras atrações na Praça Duque de Caxias (Santa Tereza).
Os eventos serão gratuitos, com cadeiras para o conforto do público, segurança, feirinha de comidas típicas e bebidas, além de muita música boa.
O mestre de cerimônia, uma atração a mais, será o radialista e Presidente do Clube do Choro de BH, Acir Antão, referência na música popular da cidade.

Sexta - 7 de Outubro - Praça Afonso Arinos (Centro)

17h00: Mestre Samba
Noel Rosa, em sua sabedoria, traduzida no samba, já registrava que “...o samba, na realidade, não vem do morro, nem da cidade” (Feitio de Oração- Noel Rosa).
Este registro é muito importante porque, na medida em que se fala em samba, o pensamento viaja automaticamente para o morro e o afro. Os integrantes do Mestre Samba, porém, são sambistas do asfalto. Urbanos, como tantos outros sambistas famosos.
Mestre Samba - Foto: Marco Botelho
Profissionais liberais e de música, que se uniram em torno de uma paixão comum: o Samba. Daí a origem do grupo. Amor ao Samba. Amor aos mestres do Samba. Explicado também está a origem do nome. Mineiros, todos radicados em Belo Horizonte, criaram este grupo em 2008 e, ao longo do tempo veem interpretando os grandes mestres de maneira personalíssima, ao ponto de, mesmo o samba tradicional e histórico, com eles, se vestir de uma roupagem contemporânea.
Ao estilo samba de roda, integram o repertório do grupo, músicas dos grandes mestres como Donga, Pixinguinha, Cartola, Noel Rosa, Paulo César Pinheiro, João Bosco, Chico Buarque, João Nogueira, Adoniram Barbosa, Monarca, Zeca Pagodinho e muitos outros que fizeram e fazem a história do samba. Com uma interpretação personalizada, os componentes do grupo Mestre Samba contam com uma formação eclética tanto profissional quanto musical.
Na atualidade o grupo é formado por: Bruno Daconti - Cavaquinho e voz; Maurício Soares - Violão e voz; Cássio Jabour - Percussão e voz; Marco Antônio Botelho - Chocalho e voz; Daniel Pacheco - Violão e voz; Eder Jairo - Percussão; Wellington Andrade - Percussão. Cinco vozes, dois violões, cavaquinho, chocalho, pandeiro, tan tan e surdo. Estes elementos dão o ritmo e a performance da banda e o grupo, além de mesclar o repertório dentro das inúmeras variações do samba, trabalhando a tonalidade das vozes dos quatro vocalistas e a toada dos sambas, de acordo com as nuances de cada voz. Algumas músicas que são originalmente mais leves tornam-se mais viscerais na interpretação do grupo que, de maneira cadenciada, inicia o show com sambas mais leves até desembocar em canções mais fortes. Nesse ritmo, o público se descontrai, canta e dança.

18h30: Clube do Choro de Belo Horizonte
Os músicos associados Helio Pereira (bandolim), Geraldinho Alvarenga (violão 6 cordas), Camargos (pandeiro),  Fred (percussão), Geraldo Magela (violão 7 cordas), Robson (cavaquinho), Juliana D'Avila (flauta) e Nilton Assis (surdo) representam o Clube do Choro de Belo Horizonte na apresentação desta noite, levando um repertório de primeira grandeza para abrilhantar a abertura do festival.
Clube do Choro de BH - Foto: Anderson Faria
O Clube do Choro de BH tem as suas origens nas reuniões semanais das quintas-feiras, no Bar do Bolão, no bairro Padre Eustáquio, onde vários músicos, amadores e profissionais, se reúnem, desde 1993 até hoje, em maravilhosas rodas de choro, abertas a todos os apreciadores de boa música, bom papo, agradável convivência, regadas a cervejas geladas.
Nestas reuniões surgiu a ideia da fundação do Clube do Choro de Belo Horizonte, instituição sem fins lucrativos que, com o quadro inicial de 23 fundadores, passou a existir a partir de 31 de maio de 2006. Desde então, ele se mantém como uma instituição totalmente voltada para o incentivo e a divulgação da música – e em especial, o gênero choro – através de atividades de instrumentistas, compositores e intérpretes, que se dedicam ao estudo e apresentações de audições musicais em casas de espetáculos, bares e espaços culturais.
O grupo de choro é integrado por sócios músicos, profissionais e amadores. Nestes 10 anos de existência a instituição conquistou seu lugar no cenário cultural e musical da cidade.

SOBRE O FESTIVAL
A primeira edição do Festival  Choro e Samba aconteceu em 2011, na cidade de Paraty (RJ), a segunda no ano seguinte, em Itaúna - MG. No mesmo ano, a terceira edição ocupou o espaço Funarte em BH. Já a quarta, em 2015, foi realizada também na Capital, no estacionamento do Parque das Mangabeiras, em conjunto com o projeto Botecar, e a quinta e última, no mesmo local, ainda com o projeto Botecar, aconteceu neste ano.
Teremos agora, nos dias 07, 11 e 12 de Outubro, a sexta edição viabilizada através de projeto aprovado no edital 2014 da Lei Municipal de Incentivo a Cultura, com o patrocínio da MGS – MINAS GERAIS ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS LTDA.
Trata-se de uma realização conjunta da MINAS GESTÃO CULTURAL e do CLUBE DO CHORO DE BELO HORIZONTE. A produção está a cargo da IDEAR PRODUÇÕES CULTURAIS. 
O grande objetivo do projeto é proporcionar aos amantes de longa data dos gêneros, e aos futuros apaixonados, a oportunidade de desfrutar de uma bela amostra do que temos hoje no pais, nestas duas grandes vertentes musicais.
Belo Horizonte sempre admirou e aplaudiu estas paixões nacionais. Na cidade, a quantidade de artistas dedicados ao Choro é superior a grande maioria das outras capital brasileiras, rivalizando-se, até mesmo com o seu berço, o Rio de Janeiro. Temos aqui vários locais onde, durante toda a semana, existem apresentações de Choro. O Clube do Choro de Belo Horizonte, parceiro na realização deste evento, também movimenta este cenário com várias promoções e apresentações.

E, vamos ao Festival!

6 de outubro de 2016

Choro de Varanda está de volta às rodas de Choro do Suricato.


Nesta sexta, 7 de outubro, O Choro de Varanda, grupo formado por Daniel Rosa (7 cordas), Guizé Medeiros (Flauta), Marcos Ruffato (Bandolim), Rafael Pimenta (Cavaquinho) e Rubens (Pandeiro) se apresenta a partir das 20 horas, no Espaço Suricato.
O grupo surgiu a partir da reunião de amigos em torno da obra de alguns dos grandes gênios da música brasileira, como Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Altamiro Carrilho, K-Ximbinho, Waldir Azevedo, dentre outros. E promete, para amanhã, o melhor do Chorinho. Programe-se.

SERVIÇO
Show com Choro de Varanda
Data: 07 de outubro - sexta
Horário: 20 horas
Local: Espaço Suricato - Rua Souza Bastos, 175 - Bairro Floresta - Belo Horizonte

DIA DE FEIRA COM TOCA DE TATU.


Neste sábado, 8 de outubro, às 13h30, o grupo Toca de Tatu traz uma performance imperdível para o palco do Projeto Dia de Feira. O grupo traz a música instrumental brasileira com principal referência do Choro, explorando também outros gêneros e linguagens da nossa música. 
Programe-se e prepare-se para se encantar com  uma sonoridade original e criativa apresentada por Lucas Telles (violão), Lucas Ladeia (cavaquinho), Luísa Mitre (teclados) e Abel Borges (percussão). A apresentação será na Feira Tom Jobim (Av. Carandaí, em frente ao Colégio Arnaldo) e contará com a participação especial de Juarez Moreira, um dos maiores talentos brasileiros do violão. 

SERVIÇO
Projeto Dia de Feira apresenta: Grupo Toca de Tatu com participação especial de Juarez Moreira
Data: 8 de outubro 2016
Horário: 13h30
Local: Feira Tom Jobim (Av. Carandaí, em frente ao Colégio Arnaldo) 
Entrada: franca

5 de outubro de 2016

Festival Choro e Samba de BH tem início na próxima sexta feira.


Na próxima sexta-feira, dia 7 de outubro, tem início o Festival Choro e Samba de BH. Os shows acontecem a partir das 17 horas com o Mestre Samba e 18h30 com o grupo de músicos do Clube do Choro do BH.
O Festival Choro e Samba de BH, apresentado pela MGS mostra a inegável importância da música popular na formação e vida cultural do povo brasileiro, resistindo às “importações” de gêneros que destoam das raízes culturais do país. Assim, o Choro e o Samba estão reunidos em um único festival que está na sua 4ª edição, já tendo passado por Paraty (RJ), Itaúna (MG) e espaço Funarte (BH).
Agora em outubro, o festival ocupará também outra Praça, a Duque de Caxias, no bairro Santa Teresa - a programação neste outro espaço acontece nos dias 11 e 12 de outubro, a partir das 19 horas, no dia 11, e a partir das 17 horas, no dia 12 com atrações variadas.
Não perca.




4 de outubro de 2016

Porque hoje é terça!


Hoje, a partir das 19 horas, o grupo "Isto é Nosso", formado pelos músicos Thiago Balbino, Pedro Alvarez, Gustavo Monteiro, Artur Padua, Daniel Nogueira e Ronaldo Emerenciano Pereira, promovem a terça do choro. O evento acontece no "Do Chef Espetos" e promete um repertório de primeira. Programe-se.

SERVIÇO
Terça do Choro com o Conjunto "Isto é Nosso"
Datas: 04 de outubro 2016 (terça-feira)
Horário: 19 horas
Local: Do Chef Espetos  
Endereço: Av. Cônsul Antônio Cadar, 122 - Lj 1 - São Bento -Belo Horizonte
Informações: (31)8496-1060