20 de janeiro de 2020

Tia Amélia, pianista pioneira no toque do choro, tem obra reavivada em disco.

Conhecido pela técnica prodigiosa no manuseio do piano, o músico Hercules Gomes reúne 14 composições da antecessora no terceiro álbum.


Na crônica A bênção, Tia Amélia, escrita em julho de 1953, o poeta e compositor Vinicius de Moraes (1913 – 1980) conceituou a pianista e compositora pernambucana Amélia Brandão Nery (25 de maio de 1897 – 18 de outubro de 1983) como “uma ressurreição de Chiquinha Gonzaga com bossas novas”.

Na realidade, a pianista chegou a viver alguns anos no mesmo tempo de Chiquinha Gonzaga (1847 – 1935), mas, sim, pode ser considerada sucessora da maestrina no toque do piano e, sobretudo, discípula de Ernesto Nazareth (1863 – 1934) na difusão do choro.

Enfrentando as pressões da sociedade machista, Amélia driblou as proibições do pai e do marido para interromper a carreira, construindo obra que está sendo reavivada pelo pianista capixaba Hercules Gomes no álbum Tia Amélia para sempre, lançado pelo Selo Sesc neste mês de janeiro de 2020 com capa que expõe a pianista em ilustração de Alexandre Calderero.

Idealizado e produzido pelo próprio Hercules, o disco chega ao mercado fonográfico quase 100 anos após o início da trajetória profissional dessa pianista de formação erudita que já tocava de ouvido aos quatro anos de idade.

Leia AQUI a matéria completa assinada pelo jornalista Maulo Ferreira, publicada em seu Blog no Portal G1.

Chega mais, hoje tem Chorinho com o Guiné de Riga.

Para você começar a semana em ótimas companhias e com a melhor trilha sonora, o grupo Guiné de Riga marca presença na roda de Choro do Saruê. 
Logo mais, a partir das 19h30, o grupo chega com Vera Pape na flauta, Jorge Bonfá no violão 7 cordas, Anderson Costa no sax, Rogério "Pagé" no cavaquinho e Alexandre Cruz no pandeiro, convidando todos para uma roda pra lá de animada. Chega mais e chame os amigos.

SERVIÇO 
Grupo Guiné de Riga (Chorinho)
Data: 20 de janeiro (segunda)
Horário: 19h30 
Local: Bar Saruê - Rua Altamiro Avelino Soares, 1269 - Bairro Castelo - BH
Informações: (31) 99819-0808

17 de janeiro de 2020

Regional da Serra com muito Chorinho no Buteco D´Avenidinha.

O Regional da Serra se apresenta nesta sexta (17) na roda do Buteco D'Avenidinha, um local com tudo que combina com o ritmo do Chorinho: clima aconchegante, cardápio de comidas mineiras e atendimento cheio de afeto. Logo mais, partir das 19 horas, Daniel Toledo (violão sete cordas), Pablo Dias (cavaquinho), Pedro Alvarez (flauta), Fred Lazarini (pandeiro) e seus convidados esperam por você. Programe-se.

SERVIÇO
Roda de Choro com Regional da Serra
Data: 17 de janeiro (sexta)
Horário: 19 horas
Local: Buteco D'Avenidinha - Av. Alphonsus Guimarães,349 - Santa Efigênia -BH
Informações e reservas (31) 3140-0783

Confira o clima e ouça uma palinha do que acontece logo mais.

As rodas musicais no DuDan voltam com tudo, trazendo muito Chorinho, Samba e Seresta.

Nesta sexta (17), a partir das 19 horas, as rodas musicais no DuDan voltam com tudo, trazendo muito Chorinho, Samba e Seresta. 
Luciana Dietze no pandeiro, Agostinho Paolucci no violão e Thiago Balbino no bandolim chegam com um repertório cheio de clássicos e outras surpresas boas da melhor música brasileira. Imperdível.

SERVIÇO
Roda de Choro no DuDan
Data: 17 de janeiro 2020
Horário: 19 horas
Local: Dudan Bar - Av. Prudente de Morais, 1330 - Cidade Jardim
Informações: (31) 99189-7419

16 de janeiro de 2020

O Choro toma conta do Botequim Sapucaí às quinta feiras.



O Choro toma contado do Botequim Sapucaí, às quinta feiras, sempre a partir das 19 horas. E toda semana, aparecem por lá nomes queridos do Chorinho belorizontino,  para promover uma roda deliciosa e reconfortar nossos corações. 
Chame os amigos e aproveite. A partir das 17 horas já acontece o happyhour de caipis e chopes. 

SERVIÇO
Chorinho no Botequim Sapucai
Data: 16 de janeiro (quinta)
Horário: 19h00
Local - Botequim Sapucai - Rua Sapucaí 523, bairro Floresta - BH
Informações: (031)25168801

.

15 de janeiro de 2020

Conjunto Época de Ouro chega a BH com show que comemora os 100 anos dos Oito Batutas. O projeto tem 4 edições e estreia hoje.

Tem estreia nacional chegando hoje ao palco do CCBB Belo Horizonte. O projeto “Do Palais a Paris – 100 anos dos Oito Batutas” comemora os cem anos de lançamento do primeiro grupo a levar a música popular brasileira para o exterior.
A homenagem fica por conta do Conjunto Época de Ouro, que vai receber convidados ilustres para quatro apresentações hoje (15), 22 e 29 de janeiro e 05 de fevereiro.

O Conjunto Época de Ouro representa o choro genuíno dos tempos em que o rádio era o maior veículo de comunicação no Brasil e a música instrumental brasileira enchia os lares. Fundado em 1964 por Jacob do Bandolim, comemorando 50 anos de história, o Conjunto tem uma carreira sólida construída com diversos espetáculos por todo o país levando às plateias arranjos elaborados interpretados com maestria por componentes exigentes.

Inicialmente o conjunto acompanhava Jacob do Bandolim que em alguns anos já se integrou aos demais, mantendo somente a denominação atual. Jacob era muito criterioso e exigente nos ensaios, não somente no que se refere à técnica mas também quanto a disciplina e profissionalismo. Apresentando-se sempre de terno e gravata, muito polidos e elegantes, os componentes, à época da fundação tinha muito orgulho de pertencerem ao mesmo conjunto do ícone do bandolim.

Conjunto Época de Ouro. Em BH, Luiz Barcelos estará substituindo 
Ronaldo do Bandolim. Foto: Divulgação.
O instrumento símbolo do Conjunto Época de Ouro parou de tocar em 13 de agosto de 1969 quando Jacob do Bandolim deixava órfão não só o Época de Ouro mas toda uma classe de músicos, adoradores e amigos. Com seu falecimento muitos compromissos foram adiados e neste tempo o Conjunto atravessou um luto de três anos sem apresentações e aparições.

Porém, por iniciativa de Paulinho da Viola, o Conjunto retomou suas atividades em 1973, em grande estilo, no famoso espetáculo SARAU que lotou, por vários dias o Teatro da Lagoa, dando origem, inclusive ao Clube do Choro - idealizado por Paulinho da Viola e o crítico Sérgio Cabral num movimento, em todo o país em busca de dar maior amplitude a este gênero musical..

Durante as 5 décadas comemoradas este ano, o Conjunto, juntamente com Jacob do Bandolim de cuja discografia não há como desvincular, gravou mais de 40 discos, entre eles os premiados “Vibrações” e "Época de Ouro interpreta Pixinguinha e Benedito Lacerda", considerados Melhor Disco Instrumental do Ano de 1967 e 1977 respectivamente.

Em outro grande momento, já na década de 90, após ser convidado a representar a música brasileira na Feira do Livro de Frankfurt, Alemanha, o Conjunto foi convidado por Marisa Monte, Elba Ramalho, Ivan Lins e Paulinho da Viola para participar das gravações dos seus CDs. Devido ao grande sucesso e repercussão das parcerias, retribuindo os convites, o Época lançou o aclamado por público e crítica Café Brasil, com a participação dos referidos artistas, além de João Bosco, Martinho da Vila e Leila Pinheiro, que vendeu mais de 100 mil cópias, sendo 25 mil delas só no Japão onde o choro é um gênero muito apreciado e valorizado. Algum tempo depois surgiu a oportunidade de lançar o Café Brasil 2, com as participações de Beth Carvalho, Zeca Pagodinho, Ney Mato Grosso, Ivan Lins, Mosca, Arlindo Cruz e Sombrinha, Elba Ramalho, Nó em Pingo D Água e Lobão, cujo sucesso rendeu além de milhares de cópias, um convite muito especial: uma turnê por várias cidades japonesas culminando na gravação do último CD do Conjunto - porém não lançado no Brasil.

Atualmente, o Conjunto Época de Ouro tem um programa semanal, transmitido ao vivo pela Rádio Nacional Rio e pelo portal na internet [www.ebc.com.br] com a participação fiel da plateia que comparece a Sala FUNARTE no Rio de Janeiro, voltando no tempo, à época de ouro do rádio. 
Confira a programação em Belo Horizonte.

SERVIÇO
15/01, 20h - Época de Ouro convida Dudu Nobre
22/01, 20h - Época de Ouro convida Lucas Brito
29/01, 20h - Época de Ouro convida Nailor Proveta
05/02, 20h - Época de Ouro convida Fabiana Cozza
Datas: 15, 22 e 29 janeiro e 5 de fevereiro 2020
Horário: 20 horas
Local: CCBB - Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450 - Bairro Funcionários - BH)
Ingressos: R$30,00 (inteira) e R$15,00 (meia). Adquira já o seu: https://bit.ly/37RZw6r

14 de janeiro de 2020

Choro da Mercearia com timbres e bordões em Santa Tereza.


Terça é dia de roda com o grupo Choro da Mercearia. Hoje a pauta está garantida através dos timbres e bordões de Sílvio Carlos no violão sete cordas, Marcos Rufatto no bandolim, Analu Braga no pandeiro, além das participações especiais de Thamires no clarinete e Dany Boy no cavaquinho.
A roda começa às 19 horas e acontece no Butiquim do Walter, em Santa Tereza. Programe-se e chame os amigos.

SERVIÇO
Roda de Choro da Mercearia
Data: 14 de janeiro 2019 (terça)
Horário: 19 horas
Local: Butiquim do Walter - Rua Mármore, 181- Bairro Santa Tereza - BH

13 de janeiro de 2020

Conheça o Instituto Piano Brasileiro, sua proposta de resgate e divulgação das ricas tradições pianísticas brasileiras.

O Instituto Piano Brasileiro (IPB), fundado em agosto de 2015 pelo pianista e pesquisador Alexandre Dias. Com o objetivo de atuar no resgate e divulgação das ricas tradições pianísticas brasileiras, em toda sua complexidade, busca enxergar o Piano Brasileiro de maneira completa, desde suas primeiras manifestações no início do século XIX até a música que é composta hoje, passando pelas diversas nuances do piano erudito e do piano popular. Através do portal www.institutopianobrasileiro.com.br são disponibilizadas as bases de dados, que englobam diversas facetas do piano brasileiro, incluindo uma enciclopédia, discografias, catálogos de partituras, linha do tempo, imagens, biblioteca e um blog. O IPB também existe na forma de páginas em redes sociais, um canal no youtube, um acervo físico, uma editora, e uma sede física em Brasília, inaugurada em 2018.

O Instituto realiza um trabalho intenso que consiste na digitalização de acervos e disponibilização online de fontes primárias de pesquisa, editoração e revisão de partituras brasileiras, disponibilização de gravações raras, geração de vídeos com partituras brasileiras sincronizadas com o áudio, divulgação de notícias relacionadas ao mundo do piano, entrevista com pianistas, e geração de conteúdo online, disponível em seu banco de dados para consulta pública. Além disto tem como objetivo produzir pesquisas inéditas a partir de todo este material, contribuindo para o avanço do conhecimento sobre o piano no Brasil. E esta atenção é voltada tanto para compositores como para pianistas, buscando trazer à tona suas carreiras e sua produção.

IPB - uma história para ser apreciada
O trabalho também é voltado para pesquisadores, profissionais da mídia e o público geral interessado, além de funcionar como um estímulo para aqueles que ainda não tiveram contato com o universo do piano brasileiro, e tenham curiosidade em conhecer mais a respeito.

Em 2017, o IPB recebeu o Prêmio APCA na categoria "Melhor projeto musical", destacando o trabalho do instituto em nível nacional e no último ano ganhou o Prêmio Concerto 2019, na categoria "Grande prêmio". Este é um dos prêmios mais importantes do país, escolhido espontaneamente (não há candidatura), e votado por um time de críticos com amplo conhecimento da música no Brasil.


Com a palavra o fundador do IPB, Alexandre Dias:

Conheça mais sobre o Instituto Piano Brasileiro. acessando o site e o canal no Youtube