SEJA VOCÊ TAMBÉM UM ASSOCIADO DO CLUBE DO CHORO DE BH. MAIORES INFORMAÇÕES LIGUE (31)3422-4433.

31 de julho de 2021

Estação do Choro, espaço dedicado à cultura maranhense, será inaugurado neste sábado com apresentação do Regional Tira-Teima.


Será inaugurada neste sábado (31/07), a partir das 16h30, a Estação do Choro, um equipamento do governo do Estado do Maranhão que funcionará como Casa de Cultura. Localizada na praça Mestre Antônio Vieira (Monte Castelo), a Estação do Choro ocupará o local onde funcionou a primeira estação de bondes de São Luís e agora abrigará atividades culturais, museológicas, pedagógicas e socioeducativas.

O espaço é uma reinvindicação antiga dos Chorões maranhenses e será inaugurado pelo Governador Flávio Dino. O evento contará também com as importantes presenças da diretora do Clube do Choro do Maranhão, Edvania Katia, dos demais membros da diretoria e associados da instituição, além da  apresentação musical do Regional Tira-Teima. Formado pelos músicos Paulo Trabulsi (Cavaquinho Solo), Jose Serra (Flauta), Francisco Solano (Violão 7 cordas), Sadi Ericeira (Cavaquinho Base) e José Carlos (Pandeiro), o  Tira Teima é o mais antigo regional de Choro em atividade de São Luís-MA, com 47 anos de atividades.

Prepare os aplausos, pois é o Tira-Tema que já chega por aqui sonorizando nosso sábado e apresentando "Flor do Cerrado", um Choro de Waldir Azevedo.

30 de julho de 2021

Projeto Quadrilátero do CCBB BH promove encontros ao vivo com grandes figuras da música brasileira. O Choro é o tema nesse sábado.

O Choro é destaque na noite das Cordas Dedilhadas - Foto: Cyntia Santos

O CCBB Belo Horizonte está apresentando o projeto Quadrilátero: quatro apresentações, quatro naipes de instrumentos formado por quatro instrumentistas que mostram suas tendências artísticas individuais e coletivas geradas por um encontro inédito. Um projeto de Leo Gandelman que apresenta os melhores músicos do momento, oferecendo novas perspectivas à música instrumental brasileira. As apresentações ao vivo acontecem às 20 horas, no Teatro I do CBBB BH.

PROGRAMAÇÃO: 
Os shows iniciaram na quinta (29/07) com o encontro dos percussionistas Pretinho da Serrinha, Robertinho Silva, Marcos Suzano e Marcelo Costa que trouxeram o tema: "Da África às Américas". 
Nesta, sexta (30/07) é a vez do naipe dos metais com o tema: "Ary Barroso e Moacyr Santos". No palco do CBBBH estarão os saxofonistas Leo Gandelman, Nivaldo Ornelas, Mauro Senise e Zé Carlos Bigorna. 
Já amanhã, sábado (31/07) é um dia especial para os amantes do Choro. É a noite do grande encontro das cordas de Henrique Cases, Rogério Caetano, Luis Barcelos e João Camarero que trazem o tema: "Choros e Afro Sambas". 
A programação segue no domingo (01/08). Fechando o circuito com o tema: "Radamés Gnattali, Astor Piazzolla e Villa Lobos", as instrumentistas Janaina Salles, Joanna Bello, Inah Kurrels, Jocelynne Huiliñir Cárdenas, se apresentam nas cordas de arco.

Leo Gandelman atua como anfitrião e faz participações especiais em todos os espetáculos. Além disso, no domingo (31/07), às 15h, ele também apresenta uma masterclass sobre o projeto, com duração de uma hora, aberta ao público na Sala Multiuso do CCBB BH.

A programação tem classificação livre. Os ingressos custam R$30 | R$15 (meia) e podem ser adquiridos no site/app Eventim. Maiores informações: (31) 3431-9400 e ccbbbh@bb.com.br.

Nesta matéria da Revista Eletrônica Agenda (Rede Minas) você confere mais detalhes sobre esse belíssimo projeto.

29 de julho de 2021

Samba e Choro D´Avenidinha vem com tudo nesta quinta.

Projeto Samba e Choro ao vivo está de volta no Buteco D'Avedidinha. Nessa quinta (27), a partir das 19 horas, a roda estará armada com Fred Lazarini no pandeiro, Pablo Dias no cavaquinho, Daniel Toledo no violão, Anderson Costa no sax quem mais chegar para celebrar.
Programe-se e separe a máscara de festa.


SERVIÇO
Samba Choro DAvenidinha
Data: 27 de julho (quinta)
Horário: 19 horas
Local: Buteco D'Avenidinha
Av. Alphonsus Guimarães, 349 - Sta. Efigênia
Informações e reservas (31) 99542-4651

Websérie musical "Contornos: Choro" está no ar. Confira os episódios já exibidos e programe-se para os inéditos.


Contornos: Choro é uma websérie musical do Sesc Santos. Em cada temporada um(a) pesquisador(a) é convidado(a) para fazer a curadoria de um determinado gênero/tema musical, sempre com artistas da Baixada Santista. A primeira temporada está no ar nesta semana e é composta por quatro episódios imperdíveis.

Esta edição de "Contornos" acontece durante a pandemia de COVID-19 e, por conta disso, algumas gravações foram realizadas a distância, com pessoas em isolamento social e respeitando todos os protocolos de segurança que o momento exige.  As transmissões acontecem pelo canal no Youtube do Sesc Santos, ás 18 horas.

A estreia aconteceu na última terça feira (27/07). No primeiro episódio participam Ari & Arizinho 7 Cordas.
Ari 7 Cordas - começou tocar violão aos 16 anos influenciado pelo seu professor Zeferino 7 Cordas. Durante sua trajetória acompanhou artistas como: Nelson Gonçalves, Nelson Ned, Cláudia Moreno, Leila Silva, Noite Ilustrada, Germano Mathias, Bezerra Da Silva, Déo Rian, Cardos Poyares, Isaías Do Bandolim. Atualmente Presidente Do Clube Do Choro De São Vicente. 
Arizinho 7 Cordas - o músico é de São Vicente e filho de Ariovaldo (Ari), grande violinista. Iniciou os estudos ainda criança com o pai. Acompanhou vários artistas como: Ivan Lins, D. Ivone Lara, Almir Guineto, Zeca Pagodinho, Beth Carvalho, Reinaldo, Marquinhos Santana, Jorge Aragão, Leci Brandão, Jovelina Pérola Negra, Dudu Nobre, Pedrinho da Flor, Arlindo Cruz, Sombrinha, Ivan Lins, D. Ivone Lara, Péricles, Marcelo Lombardo, entre outros.

O segundo episódio com Nathan Valente e Monteiro foi ao ar na quarta feira (28/07). 
Monteiro - Manoel do Espirito Santo Monteiro Filho, conhecido como Monteiro do Bandolim, nasceu em 1936 e cresceu na cidade de Santos. Frequentador de rodas de Choro, fez carreira na Marinha, onde integrou a Banda Sinfônica tocando contrabaixo acústico. É professor de música e referência para inúmeros chorões mais jovens.
Nathan Valente - nascido no ano de 1992 em Santos, iniciou seus estudos musicais aos 16 anos, no violão erudito. O interesse pela música popular, em especial a música brasileira, o levou ao violão popular e abriu o leque para outros instrumentos de cordas como o bandolim e a guitarra. Violonista, guitarrista e bandolinista, é professor licenciado em Música pela Universidade Católica de Santos.

O terceiro episódio que vai ao ar nesta quinta feira (29/07) nos traz Shirlei Priscila & Luan Pablo. 
Shirlei Priscila - iniciou no piano pelo Conservatório Municipal de Música de Peruíbe aos 6 anos. Tocou na Banda Marcial de Itanhaém, trompa e percussão. Participou na primeira formação da Orquestra Tom Jobim como 2°flautista. Foi integrante da ultima formação do Grupo Regional de Choro Cinco Companheiros de Santos com Jorge Maciel no violão 7cordas, Carlinhos do Pandeiro, Miltinho do Cavaco e Monteiro do Bandolim por mais de 10 anos, desenvolvendo assim a paixão pelo Choro. Atualmente é monitora de Música pela Escola Municipal de Música de Peruíbe. 
Luan Pablo - multi-instrumentista iniciou seus estudos na música aos 12 anos, após comprar uma flauta doce. Depois passa para flauta transversal e aos 13 anos tem contato com música de câmara e inicia os estudos no clarinete. No Clube do Choro de Santos começa a estudar choro, e inicia estudos no piano e violão 7 cordas. A partir dali, aprende vários outros instrumentos musicais. Hoje em dia é monitor na Escola de Choro e Cidadania Luizinho 7 Cordas, além de tocar mais de 15 instrumentos. Já tocou com grandes músicos como Zé Barbeiro, Luizinho 7 Cordas e Armandinho.

Nessa sexta (30/07), no episódio que encerra essa temporada participam Luizinho 7 Cordas & Cibele Palopoli .
Luizinho 7 cordas - Luiz Araújo Amorim nasceu na cidade de Marília (SP), em 1946. É considerado o mais autêntico representante paulista do violão de 7 cordas. Formado na escola tradicional do Choro, acompanhou cantores como Nelson Gonçalves, Silvio Caldas, Elizeth Cardoso, Ângela Maria, Cartola, Clara Nunes e Beth Carvalho. Luizinho 7 cordas detém um acervo com mais de 1.200 partituras manuscritas, tendo destacada atividade como compositor, arranjador e professor de seu instrumento. 
Cibele Palopoli - Flautista, professora universitária e pesquisadora. Autora da tese de Doutorado Violão velho, Choro novo: processos composicionais de Zé Barbeiro, defendida na Universidade de São Paulo em 2018. Foi coordenadora do Curso de Licenciatura em Música da Universidade Católica de Santos, é Doutora em Música (2014-2018), Mestre em Artes (2011-2013) e Bacharel em Música (flauta transversal, 2007-2010), todos pela USP.

Nossa sugestão de audição para esta quinta não poderia ser outra. Clique na imagem abaixo para curtir os dois primeiros episódios que já que foram ao ar e se programar para os seguintes que serão exibidos hoje e amanhã. Bom proveito.


28 de julho de 2021

Nova edição do projeto coletivo "Roda Gigante" presta homenagem a músicos que partiram durante a pandemia.

Roda Gigante reunindo músicos mineiros em mais uma edição. Foto: reprodução

O projeto coletivo "Roda Gigante" reúne um grande número de instrumentistas mineiros em vídeos que visam prestar homenagens e celebrar momentos especiais. Na edição que acaba de ser lançada, 72 instrumentistas se reuniram para manifestar sua reverência à memória de colegas que partiram durante este período de pandemia.

Acordeom, Bandolim, Cavaquinho, Clarinete, Contrabaixo, Eufônio, Fagote, Flautas, Pandeiro, Percussão, Piano, Sax, Trombone, Trompete, Vibrafone, Violões de 6 e 7 cordas formaram mais uma grande roda. Na verdade, gigante. Virtualmente concebida e produzida, já que pessoalmente ainda não é possível. A música escolhida para essa edição é de autoria de Alexandre Bacalhau. "O Clarinete do Lu" é uma inspirada composição baseada na memória afetiva do compositor. Originalmente o Choro foi dedicado a Luiz de Souza, mas nessa grande orquestra recebeu tantos acordes saudosos que reverberou o uníssono da admiração por todos que partiram, incluindo os queridos Marcelo Batista, Elisa Behrens  e Toninho Trombone. 

Luiz Souza - Foto: Nilson Cota
Luiz Souza, faleceu aos 79 anos de idade em 29 de março de 2021, vitimado pela COVID-19. Era compositor e clarinetista respeitado nas rodas de Choro de BH e muito querido entre seus companheiros de música. Ele teve composições autorais registradas em álbuns como o "Engolindo o Choro" do grupo Off-Sina e participações em várias gravações fonográficas de outros músicos.
Ele pertenceu por vários anos ao quadro de associados do Clube do Choro de BH e sua passagem pela instituição foi marcada pela competência como instrumentista, mas também pela simpatia e camaradagem. No Clube e nas rodas de Choro da cidade, ele deixou grandes amizades e saudade.

Elisa Beherns - Foto: Divulgação
Entre os homenageados está a acordeonista Elisa Behens. Mineira de Januária, ela  passou a infância em Diamantina e ali começou sua história musical. Adolescente mudou-se com a família para BH onde passou a residir e estudar piano. Mas foi o acordeom que lhe tocou o coração e passou a ser seu instrumento principal. Ela  admirava e se inspirava em compositores e instrumentistas como Sivuca, Orlando Silveira, Hermeto Paschoal e Dominguinhos. Nos palcos dos teatros, em bares tradicionais de encontros de compositores e apreciadores da boa música, espaços culturais, festas, bailes e projetos como o “Minas ao Luar”, ela tocava Chorinho, Seresta e MPB. Elisa fez história atuando como integrante ou convidada especial de diversos grupos como “Regional Feitiço da Vila”, “Sarau Brasileiro”, “Sereno da Madrugada”, “Aconchego”, “Regional Arco da Velha”, “Sindicato do Forró”, “Vinicius Tiso e seus violinos” e em inúmeras apresentações do Clube do Choro de Belo Horizonte, do qual também foi membro efetivo. Elisa faleceu em BH, onde foi sepultada no dia 6 de março de 2021.

Marcelo Batista - Foto: Acion BHZ
O trombonista Marcelo Ribeiro Batista faleceu em 24 de janeiro de 2021, aos 74 anos, acometido por uma parada cardiorrespiratória decorrente de um quadro agravado da da COVID-19.
Além de associado ao Clube do Choro de BH foi um dos fundadores do Clube do Choro de Betim. Marcelão do Trombone, como era conhecido, formou-se em Engenharia pela UFMG e exerceu esta profissão ao logo da vida, sem nunca se afastar da esfera musical.
A música estava em seu DNA. Ele era filho de João Careca, fundador da banda de mesmo nome na década de 1960, em Betim (MG). Marcelão "seguiu o baile" e participou de vários eventos e Carnavais em sua cidade, além de ter feito parte da Banda Nossa Senhora do Carmo da qual foi presidente. Sua presença também era marcante nas rodas de Choro e sempre pautada pela extrema alegria. Ele mudava o clima sempre para melhor, "balançava o coreto" e botava a boca no trombone, literalmente.

Toninho do Trombone - Foto: Perfil Facebook
Muito conhecido no meio musical do país, o músico Antônio Cirilo de Souza, carinhosamente chamado de Toninho Trombone, foi mais uma vítima da COVID-19, aos 58 anos. Ele faleceu em 16 de março de 2021. 
Atuando como músico há mais de 30 anos, Toninho já havia trabalhado em bandas famosas como Jota Quest, Omeriah e Berimbrown, além de fazer trabalhos com outros famosos pelo Brasil. Sua partida foi lamentada por inúmeros colegas de profissão e admiradores que manifestaram muito pesar pela perda do amigo e músico extremamente comprometido com o trabalho e com a família.


O lançamento do vídeo "Roda Gigante - O Clarinete do Lu" acorreu na segunda feira (26), pelas redes sociais. Os instrumentista assinam a apresentação: "Nós chorões sorrimos muito! Sorrimos porque a música nos alegra e contagia quem nos ouve! Mas nestes últimos meses nós choramos, literalmente, pela morte de chorões queridos que partiram, muitos em decorrência da pandemia que estamos vivendo. Resolvemos transformar essa tristeza em homenagem e brindar amigos e familiares com essa música, composta por Alexandre Bacalhau, inspirada pela memória afetuosa do clarinetista Luiz de Souza, e tocada com emoção e respeito pela nossa Roda Gigante de BH! Que nossa homenagem chegue a todos aqueles que perderam entes queridos e atinja, onde quer que estejam, nossos mestres que já não podem mais tocar ao nosso lado: Luiz de Souza, Elisa Behrens, Marcelão e Toninho Trombone."

Assista ao vídeo e junte suas vibrações a essa homenagem:


Para melhor visualizar em aparelhos celulares, clique no lado inferior direito do vídeo para ampliar a tela.

27 de julho de 2021

Silvio Carlos, violonista e compositor associado ao Clube do Choro de BH, é o entrevistado de hoje no ciclo "O Charme do Violão Mineiro".

Silvio Carlos - Foto: Nilson Cota

O convidado para a 12ª entrevista do ciclo “O Charme do Violão Mineiro” que acontece hoje (27/07) é o violonista, arranjador e compositor, Silvio Carlos. Este ciclo é apresentado pelo violonista, professor e produtor cultural, Celso Faria. Realizado de forma remota, o projeto teve início no em maio deste ano e é transmitido sempre às terças-feiras, às 20h30, no canal do YouTube do violonista.

Silvio Carlos é mineiro de Itabira e iniciou seus estudos de violão, ainda na sua cidade natal, com Pedro de Caux. Em meados da década de 1970, mudou-se para Belo Horizonte onde ingressou no curso de Engenharia Elétrica, na UFMG. Neste período, foi aluno, concomitantemente, de Agostinho Bob e Nelson Piló. Algum tempo depois, Silvio também estudou violão com o mestre José Lucena Vaz. Ele se interessou pelo modelo sete cordas no início dos anos de 1980, época que fundou, ao lado de destacados instrumentistas da cena musical mineira, o conjunto "Flor de Abacate". Desde então, realiza pesquisas sobre a música instrumental brasileira, com ênfase no Choro. E, frequentemente, é convidado para ministrar cursos, oficinas e palestras sobre o violão de sete cordas e suas aplicações neste gênero da música brasileira. Silvio Carlos é associado do Clube do Choro de Belo Horizonte, entidade da qual já exerceu o cargo de Diretor Cultural.

Atuando como produtor e diretor musical, ele é responsável por uma grande quantidade de CDs, além de vários espetáculos. E atuando como violonista, já dividiu palco com grandes nomes da música brasileira como Ademilde Fonseca, Joel Nascimento, Paulinho da Viola, Paulo Sérgio Santos, Henrique Cazes e Hamilton de Holanda, dentre outros. Silvio já se apresentou em diferentes estados do Brasil e no exterior, realizando turnês pela Argentina, Espanha e França. É integrante do "Duo Treze Cordas", ao lado do violonista Carlos Walter, e dos grupos "Choro Nosso", "Choro da Mercearia" e "Choro de Minas".

Programe-se e prestigie mais esta entrevista imperdível. Até lá, já vamos ficando na ótima companhia do grande Silvio Carlos, pois é ele que chega trazendo a audição de hoje. No palco do programa "Senhor Brasil", Silvio se apresenta ao lado do grupo "Choro de Minas". "Tantos anos sem ele" é um Choro de sua autoria. Aprecie.

26 de julho de 2021

O Pandeiro e seus grandes instrumentistas marcam presença em mais um seminário "Choro: Patrimônio Cultural do Brasil".

 

Os seminários online "Choro: Patrimônio Cultural do Brasil" continuam nesta segunda-feira, 26 de julho, a partir das 19 horas. O destaque de hoje é o Pandeiro e os convidados serão os instrumentistas Celsinho Silva (RJ), Roberta Valente (SP), Valerinho Xavier (DF), Eliberto Barroncas (AM), Junior Teles (PE) e Guilherme Feijão (RS), com mediação de Lúcia Campos e Rodrigo Heringer.

Os encontros que estão em seu terceiro ciclo têm sido muito importantes para o andamento do processo de registro do Choro como Patrimônio Cultural do Brasil. As transmissões acontecem semanalmente pelo canal do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular (CNFCP/Iphan, e também pela página no Facebook. Para o mês de agosto, estão programados seminários com instrumentistas de Flauta (dia 02/08), Saxofone e Clarinete (09/08), Cavaquinho (16/08), Piano e Acordeon (23/08) e Metais (dia 30/08). Acompanhe a programação  e participe pelo chat com suas perguntas e sugestões.

Entre os importantes convidados desta noite estará a pandeirista Roberta Valente. E é ela quem chega adiantada, trazendo a nossa audição de hoje em uma Roda de Choro em que é acompanhada de vários convidados da pesada. O repertório é magnífico. Confira aí:

23 de julho de 2021

Começam hoje as finalíssimas do 20º Prêmio BDMG Instrumental. Assanhado Quarteto é um dos selecionados que sobem ao palco nesta noite.

Nos dias 23, 24 e 25 de julho, o BDMG Cultural realiza a finalíssima do Prêmio BDMG Instrumental, que completa duas décadas de realização em 2021, consolidado como uma importante vitrine e fonte de estímulo para músicos e compositores de Minas Gerais. Entre outros grandes artistas, nesta sexta tem apresentação do Assanhado Quarteto, um dos selecionados desta edição.

Em função da chegada da pandemia, a edição 2020 do BDMG Instrumental foi suspensa. Mas agora, ainda em meio ao flagelo que assola o planeta, a premiação volta à cena, ciente de sua importância e de seu papel para o desenvolvimento e o fortalecimento de toda uma cadeia produtiva da música no Estado.

Os 12 músicos finalistas foram selecionados por uma comissão formada pelo compositor e baterista André “Limão” Queiróz, pela pianista e professora Heloísa Feichas e pelo compositor e pianista Túlio Mourão. São eles Abel Borges, Aloizio Horta, Assanhado Quarteto, Daniel Souza, Duo Foz, Dudu Viana, Felipe Continentino, Felipe José, Gustavo Figueiredo, Max Sales, Pedro Gomes e Nô Corrêa. Cada instrumentista vai defender duas composições autorais e um arranjo, como de praxe na história da premiação, em duas noites de apresentações restritas, com transmissão ao vivo no YouTube, direto do Teatro Sesimas, em conformidade com as normas de vigilância sanitária vigentes.

O prêmio, que este ano recebeu dezenas de inscrições, vai contemplar os quatro vencedores, que serão escolhidos por uma nova comissão julgadora, com o valor de R$ 12 mil e a realização de shows no Teatro Sesiminas, em Belo Horizonte. Também serão escolhidos, como nas edições anteriores da premiação, os dois melhores instrumentistas, dentre todos os músicos participantes. 

Baixe a programação completa aqui. Assista as transmissões aqui

Enquanto aguardamos as apresentações desta noite, vamos de Assanhado Quarteto. O grupo formado pelos músicos Lucas Ladeia (Cavaquinho), André Milagres (Violão de 7 cordas), Rodrigo Heringer (Bateria)  Trigo Santana (Baiixo) é quem nos brinda com a audição de hoje: "Tilho no Choro", uma composição de Lucas Ladeia. Apreciem.

Assanhado Quarteto em Show de Lançamento do disco "Feira" (2016) 

22 de julho de 2021

Quinta é dia de colocar o coração para bater no ritmo da melhor música brasileira com o Terno Mineiro.

O Samba Choro instrumental ao vivo com o Terno Mineiro está de volta. E nesta quinta (22/07) é o dia de colocar o coração para bater no ritmo da melhor música brasileira.

O grupo formado por Fabio Miudinho (cavaquinho 5 cordas), Gelson Luiz (violão) e Samir Valente (pandeiro) se apresenta a partir das 19 horas, no happy hour da Cervejaria Cultura, no bairro Concórdia.

No repertório referência do grupo estão clássicos de autoria de Ernesto Nazareth, Jacob do Bandolim, Ataulfo Alves, Cartola, Pixinguinha, Paulinho da Viola, Donga e outros grandes compositores brasileiros.

Aproveite com responsabilidade e todos os protocolos sanitários necessários e curte aí uma palinha do que lhe espera logo mais. 

SERVIÇO
Samba e Choro instrumental, ao vivo, com o grupo Terno Mineiro
Data: 22 de julho 2021
Horário: 19 horas
Local: Cervejaria Cultura - Rua Itapeva, 115 - Bairro Concórdia
Couvert artístico: R$8,00
Informações e reservas: (31)998904539


21 de julho de 2021

Brasil Encanto em " Todos os Instrumentos e seus Encantos".



Cavaquinho, Flauta, Violão, Acordeon, Trombone, Saxofone, Bandolim, Gaita e Percussão fazem o show nas mãos de grandes mestres da música brasileira. Reunidos no Palco do Brasil Encanto, em uma edição totalmente dedicada aos encantos deles, os instrumentos, dão a sua particularidade sonora para os ritmos, as harmonias e as melodias em um repertório imperdível.

O Brasil Encanto reuniu os músicos e compositores Cleylton Gomes (flauta), Carlinhos Patriolino (violão), Luizinho Calixto (acordeon), Rômulo Santiago (trombone), Tiago Rocha (saxofone), Mestre Macaúba (bandolim), Natanel Pereira (gaita) que, acompanhados pelo Trio Brasil Encanto composto por Luiz José no cavaquinho de 6 cordas, Lucas Ervedosa no violão de 7 cordas e Igor Ribeiro na percussão, trouxeram um show de primeiríssima grandeza.

No repertório ouviremos composições de Jacob do Bandolim, Juventino Maciel, Carlinhos Patriolino, Jorge Santos, Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Valter Pereira e Macúba, Cartola e Luiz José. Aproveite nossa audição de hoje e enriqueça seu dia com formas musicais.


Brasil Encanto é um programa musical desenvolvido e executado pelo Núcleo de Produção de RTVCA e da TVDD, setores responsáveis pela produção, veiculação e divulgação dos projetos da Casa de Vovó Dedé. Exibido pela TVDD – a TV Web da Casa de Vovó Dedé – com o objetivo de divulgar o melhor da música brasileira, como o Samba, o Chorinho, a Gafieira, entre outros gêneros. Confira esta e outras edições no canal TVDD.

20 de julho de 2021

"O Charme do Violão Mineiro" entrevista hoje Marcos Vinícius, compositor, concertista internacional e atual presidente da Academia de Violão Clássico de Milão.

Marcos Vinícius - foto: Anita Madaluni

O convidado para a décima primeira entrevista do ciclo “O Charme do Violão Mineiro” que acontece hoje (20/7) é o violonista, compositor e didata Marcos Vinícius, mineiro de Congonhas. Este ciclo é apresentado pelo violonista, professor e produtor cultural Celso Faria. Realizado de forma remota, ele teve início no dia 11 de maio deste ano, e ocorrerá sempre às terças-feiras, às 20h30, no canal do YouTube do violonista.

O interesse de Marcos Vinicius pelo violão se deu ainda criança, na sua cidade natal. Foi aluno de violão de Maria Rachel, José Lucena Vaz, Léo Soares e Henrique Pinto, no Brasil e Aldo Minella, Oscar Ghiglia e Ruggero Chiesa, na Itália. Desde muito jovem, Marcos Vinicius empreendeu sua carreira, tendo tocado em diversas cidades do Brasil e em muitos países.

Em Belo Horizonte, editou a revista "Violão América" - com conteúdo especializado para o instrumento e fundou a "Belo Horizonte Guitar Orchestra", com seus mais destacados alunos. Vinicius possui material para o instrumento publicado em diversas casas editoriais, como a Ricordi (Brasil), a Carrara (Itália), a Preriferia Sheet Music (Espanha), a Corda Music Publications (Inglaterra) e a Doz Publications (Canadá).

Em 1984, Vinicius foi vencedor do "III Concurso Nacional Villa-Lobos" (Vitória-ES) e em 1992, Marcos Vinicius recebeu o prêmio "Solista do Ano", com a sua performance do "Concierto de Aranjuez", de Joaquin Rodrigo, junto à Orquestra Sinfônica Brasileira, no Rio de Janeiro. Foi agraciado com o prêmio "Bolgery Melody", pelo conjunto de sua obra autoral.

Vinicius possui sete Cds como intérprete de violão e um álbum de composições autorais, também para o instrumento, onde atuou como produtor. Atualmente é presidente da Academia de Violão Clássico de Milão (Itália) e professor do Curso de Alto Aperfeiçoamento de Violão Clássico na Academia Internacional de Música de Praeneste, de Roma e da Palestrina.

Programe-se e acompanhe a entrevista através do link: http://bit.ly/marcos-vinicius-violao. Até lá, fique com nossa audição de hoje: Marcos Vinícius executando "Gotas de Lágrima" uma composição de Mozart Bicalho, compositor, violonista, poeta e solista de violão mineiro, nascido em Bom Jesus do Amparo em 1902.

19 de julho de 2021

Série de seminários "Choro: Patrimônio Cultural do Brasil" recebe grandes bandolinistas.


Acontece nesta segunda (19/07) mais um seminário da série "Choro: Patrimônio Cultural do Brasil" que em julho e agosto tem instrumentistas como foco. As transmissões online acontecem as partir das 19 horas, pelo canal do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular (youtube e facebook/cnfcpgovbr). Para o encontro de hoje foram convidados bandolinistas que falarão sobre suas trajetórias e práticas como instrumentistas e, especialmente, a importância do Bandolim para o Choro.

Esses seminários tem sido muito importantes para o andamento do processo de registro do Choro como Patrimônio Cultural do Brasil. Os encontros que tiveram inicio em novembro de 2020, já estão em seu terceiro ciclo e vem reunindo grandes nomes do cenário do Choro, incluindo representantes de instituições de acervo, ensino, associações e coletivos, pesquisadores, compositores e grandes musicistas. Nesta noite será a vez de Jorge Cardoso (CE), Pedro Amorim (RJ), Luis Barcelos (RS), Adamor do Bandolim (PA), Armandinho Macêdo (BA), Moema Macêdo (PE).

Ainda neste mês, os seminários terão a participação de instrumentistas de Pandeiro (dia 26/07). Para o mês de agosto, estão programados seminários com instrumentistas de Flauta (dia 02/08), Saxofone e Clarinete (09/08), Cavaquinho (16/08), Piano e Acordeon (23/08) e Metais (dia 30/08).
Acompanhe a programação e participe pelo chat no dia do seminário, com suas perguntas e sugestões.

Entre os importantes convidados desta noite estará Moêma Macedo. E é ela quem trazemos para nossa audição de hoje. Aprecie a seguir "Genuinamente Brasil", composição autoral que faz parte do seu álbum "Tempo de Choro". A apresentação foi gravada no Teatro Eva Hertz (Recife), em setembro de 2013, no show de lançamento do CD.

16 de julho de 2021

Grupo Fios de Choro continua relembrando sua trajetória em lives semanais. Neste sábado tem a estreia do 4º show.

Fios de Choro - Foto: divulgação.

Com a websérie "O Encontro", o grupo Fios de Choro está relembrando sua trajetória musical que iniciou em 2014. As lives começaram no final do mês de junho e seguem trazendo a cada sábado uma nova apresentação. Cada uma delas representa uma fase do grupo que, além de revisitar o repertório da época de sua formação, também está apresentando sua maior identidade: a alegria de tocar e contagiar as pessoas com a música.

Ao longo das 6 lives programadas, o grupo que é formado pelos instrumentistas Allan Gaia Pio (pandeiro), Wanessa Dourado (violino), Igor Nikolai (cavaquinho), João Pellegrini (violão 7 cordas) irá contar detalhes de sua história. O Fios de Choro já lançou os álbuns "Trama " (2017) e "Baile dos Fios" (2019) e, entre outros prêmios e indicações, foi finalista do Prêmio Profissionais da Música em 2019 e 2020.

Agende aí: neste sábado, 17 de Junho, às 19 horas, vai ao ar o 4º episódio que poderá ser acessado através desse LINK.

Até lá, confira os episódios anteriores da série "O Encontro"  e aproveite o melhor do Chorinho e outros ritmos brasileiros com o Fios de Choro.

          Live Show #1 - O Encontro       


O Fios de Choro nasceu em uma viagem feita por 11 amigos-artistas que foram de São Paulo até Salvador se apresentando nas ruas e em bares das cidades pelo caminho, com a intenção de levar cultura por onde passassem.
Esse foi o encontro inicial do grupo, marcado por um repertório livre e decomposições populares.



   Live Show #2 - A matriz: o Choro    

Passado algum tempo, o grupo se transformou em um quarteto e teve o Choro como sua principal escola. Frequentando rodas, conhecendo histórias, foi ele quem abriu caminho para o desenvolvimento musical do grupo. Nesta edição, o Fios de Choro recebe como convidado o bandolinista Rafael esteves, que traz toda a musicalidade de um chorão autêntico e contemporâneo.


   Live Show #3 - O início da Trama   


A primeira viagem de pesquisa do grupo a Pernambuco foi muito marcante. 
O contato direto com o carnaval de rua, com o frevo, com o forró e com outras manifestações culturais, definitivamente transformaram a sonoridade do grupo. 
Nesta 3ª edição o grupo recebe como convidado o sanfoneiro pernambucano e radicado em São Paulo, Pablo Moura, que além de seu alto astral característico, traz ao palco um pouco de seu repertório autoral de forrós pra ninguém ficar parado!

15 de julho de 2021

Imperdível: Panorama do Choro Paulistano Contemporâneo em exibição pelo Sesc Digital.

 Ilustração de Sergio Fabris presente no encarte do DVD Panorama do Choro Paulistano Contemporâneo

Em 1953, desgostoso com a falta de prestígio e com o “rareamento de quintais”, Jacob do Bandolim declarou publicamente que o choro estava fadado a desaparecer em, no máximo, dez anos. Morto em 1969, o bandolinista e compositor jamais poderia supor que sua previsão sobre a longevidade de um dos primeiros gêneros musicais urbanos essencialmente brasileiros falharia, e por muito. Alheio a modismos e a imposições mercadológicas - tal qual o samba de Nelson Sargento, que, em movimentos cíclicos da história, pode até agonizar, mas não morre -, o choro resiste e perdura. Por quê? Simples: porque muitos de seus criadores respeitam a tradição, mas jamais se furtam do frescor, da renovação e da reinvenção de seu tempo.

Desde seu surgimento no Rio de Janeiro, o choro nunca se limitou ao território fluminense e se esparramou por todo o Brasil, absorvendo toda a sorte de sotaques. Uma das praças de maior efervescência chorística do país, São Paulo já havia comprovado essa rica produtividade com dois discos do Panorama do Choro Paulistano Contemporâneo, idealizados pelos percussionistas e produtores Roberta Valente e Yves Finzetto e lançados nos anos de 2009 e 2015. Faltava a um projeto dessa envergadura um registro audiovisual à altura de sua importância. Agora, felizmente, não falta mais.

Se no passado, graças aos discos, os ouvintes puderam ter a sorte de conhecer grandes nomes que São Paulo deu à música - como Garoto, Zequinha de Abreu, Bonfiglio de Oliveira, Esmeraldino Salles, Orlando Silveira, Antonio Rago, Poly, Laurindo Almeida, Dilermando Reis, Antonio D’Áurea, Paulo Moura, entre outros -, agora, com este DVD, o mundo ganha um documento histórico daquilo que há de mais relevante no choro paulistano nas primeiras décadas do século 21.

São 15 composições (algumas delas feitas especialmente para o projeto) de autores que nasceram em São Paulo e/ou fixaram morada no Estado mais populoso do país. De Laércio de Freitas a Danilo Brito, de Nailor Proveta a Thiago França, de Izaias Bueno de Almeida a Alessandro Penezzi, passando por Luizinho 7 Cordas, Everson Pessoa, Maurilio de Oliveira, Toninho Ferragutti, Zé Barbeiro, Arnaldinho Silva, Edmilson Capelupi, Milton Mori, João Poleto, Israel Bueno de Almeida e Edson José Alves.

Como se não bastasse a beleza dos temas e dos arranjos, as músicas contam ainda com as participações de alguns dos autores e com as interpretações magistrais do Sexteto Panorama - Roberta Valente e Yves Finzetto (pandeiro e percussão), Alexandre Ribeiro (clarinete e clarone), João Poleto (sax tenor e flauta), Henrique Araújo (cavaquinho e bandolim) e Gian Correa (violão 7 cordas) - um verdadeiro “dream team”, (ops, o nacionalista Jacob que não nos ouça), um time dos sonhos do choro de São Paulo. A música brasileira agradece.

Por: Lucas Nobile, músico e jornalista - Fonte: https://www.sescsp.org.br/online/ 

Clique na imagem abaixo e assista o documentário musical "Panorama do Choro Paulistano Contemporâneo" diretamente na plataforma Sesc Digital

 

14 de julho de 2021

Programa "Choro nosso de cada dia", com edições semanais, acompanha o anuário de composições de Maurício Carrilho.


O compositor Maurício Carrilho, há vários anos, mantem um compromisso consigo mesmo de criar (no mínimo) uma música por dia no espaço de tempo em que outros cariocas preferem fazer, por exemplo, duas queimas de fogos na praia de Copacabana. E assim tem sido também em 2021, quando mantem viva uma fonte de onde jorram suas brilhantes composições e que, para nosso deleite, tem sido compartilhadas com os apreciadores da sua obra, através das redes sociais e outros canais de comunicação. O programa "Estação Choro Nosso de Cada Dia" que vai ao ar às quinta feiras, das 18 ás 19 horas, pela Rádio Estação Democracia está acompanhando o Anuário de Maurício Carrilho. Nosso convite é que você ouça o programa semanalmente com transmissão pela estação online ou  assista pelo canal no Youtube (onde também poderão ser apreciadas diversas edições já exibidas do programa).

A edição que foi ao ar na última quinta (08/06) promoveu uma entrevista com Alexandre Bauab sobre suas experiências como violonista no interior de São Paulo e como professor no Conservatório Dramático Musical Dr. Carlos de Campos de Tatuí. Além disso, é claro, o programa ainda trouxe os últimos Choros compostos pelo Maurício Carrilho. Confira a seguir e não perca a edição inédita que vai ao ar amanhã.

13 de julho de 2021

"O Charme do Violão Mineiro" recebe hoje o flautista Alexandre Braga que abordará a prática da música de câmara com violão.

Alexandre Braga - Foto: Gabriel Faria
O convidado para a entrevista do ciclo “O Charme do Violão Mineiro” de hoje (13/07) é o flautista Alexandre Braga que abordará a prática da música de câmara (conjunto) com violão. Realizado de forma remota, as entrevistas ocorrem sempre às terças-feiras, a partir das 20h30, com transmissão pelo YouTube e Facebook do idealizador e apresentador do projeto, o violonista, professor e produtor cultural Celso Faria. 

Alexandre Braga é mineiro da cidade de Varginha, onde iniciou seus estudos musicais, no Conservatório Estadual de Música Maestro Marciliano Braga, ainda criança e orientado pela professora Leonilda Silva. Seus estudos continuados o levaram ao bacharelado em música, com habilitação em flauta transversal, realizado pela Escola de Música da UFMG, onde estudou na classe do professor Arthur Andrés. Durante seu período de formação, Alexandre participou de diversos festivais de música pelo Brasil, tendo estudado, dentre outros, com Maurício Freire, Odette Ernest Dias e Norton Morozowicz.

Como flautista atuou na Orquestra Ouro Preto, na Orquestra Sinfônica de Minas Gerais e, desde 2008, é integrante da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. Como músico camerista, possui destacada atuação no estado de Minas Gerais.  Dentre outras formações, atua em duo com o cravista Antônio Magalhães e com a pianista Elvira Gomes, com a qual lançou os cds "Recital" (2017) e "Sarau" (2019).  Além deles, com o violonista Celso Faria, formou há quase vinte anos, o "Duo Braga-Faria". Este conjunto camerístico tem por objetivo a divulgação de obras do cânone da formação, de músicas a eles dedicadas e das transcrições realizadas por Celso. 

Alexandre já se apresentou nas principais cidades do Brasil e também na Argentina, Peru e Portugal. Amante da apreciação musical e história da música, ele vincula vídeos sobre os dois temas, além de suas performances musicais, em seu canal do YouTube.  E é diretamente de seu canal que trazemos nossa audição de hoje. Vamos ouvir a Polca "Na maromba" de autoria de Clemente Ferreira Junior, na execução de Alexandre Braga em duo com a pianista Elvira Gomes.


Um dos maiores maestros paraenses, Clemente Ferreira Júnior (09.10.1864 - 09.10.1917) ainda é desconhecido do grande público, porém de uma enorme importância para a história da música e do cinema no Brasil. Clemente Ferreira era o maestro oficial do Cinema Olympia em Belém entre os anos 10 e 20 - cinema mais antigo do Brasil ainda em funcionamento -, e desenvolveu inúmeras composições que foram executadas no hall do cinema, assim como em salões e teatros da capital paraense no início do século XX. (fonte)

12 de julho de 2021

Seminários "Choro: Patrimônio Cultural do Brasil" estão de volta. Os instrumentistas são o foco deste terceiro ciclo que tem início hoje.


Os seminários online "Choro: Patrimônio Cultural do Brasil" estão de volta a partir desta segunda-feira, 12 de julho, agora com enfoque em instrumentistas dessa expressão cultural. Neste mês, as conversas versarão sobre violão, bandolim e pandeiro.

Os encontros tiveram inicio em novembro de 2020 e têm sido muito importantes para o andamento do processo de registro do Choro como Patrimônio Cultural do Brasil. Os seminários já reuniram grandes nomes do cenário do Choro, incluindo representantes de instituições de acervo, ensino, associações e coletivos, pesquisadores, compositores e grandes musicistas.

A pesquisa está sendo conduzida pela Associação de Amigos do Museu de Folclore Edison Carneiro (Acamufec), selecionada em 2019 por edital para também documentar a instrução técnica do processo de registro. Todas as informações coletadas irão compor um dossiê de registro, com documentários audiovisuais e documentação fotográfica, que, posteriormente, serão submetidos ao Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural.

A edição de hoje inaugura as transmissões do terceiro ciclo e terá o violão como instrumento de destaque. Para esse primeiro encontro foram convidados os violonistas Samara Líbano (RJ), Rogério Cetano (GO), João Camarero (SP), Bozó 7 Cordas (PE), Sebastião Tapajós (PA) e Maurício Carrilho (RJ) que falarão sobre suas trajetórias e práticas como instrumentistas e, especialmente, a importância do violão para o Choro. Lucas de Campos e Anna Paes serão os mediadores.

As transmissões prosseguem até agosto, toda segunda-feira às 19h, pelo canal do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular (CNFCP/Iphan , e também pela página no Facebook. Não perca e participe ao vivo, através do chat.

9 de julho de 2021

II Jornada do Violão da UFRJ homenageia Marco Pereira e contará com a presença de outros grandes violonistas. O evento está com inscrições abertas.


Estão abertas as inscrições para a II Jornada do Violão, evento promovido pelo Núcleo de Estudos do Violão (NEV-UFRJ) e pelo Programa de Pós-graduação em Música (PPGM) em parceria com a COPPE e o LTDS. O evento acontece online, dia 14 de julho, com inscrições gratuitas e emissão de certificado.

O grande homenageado dessa segunda edição da Jornada do Violão da UFRJ será o Professor Marco Pereira. Na programação estão incluídas palestras, depoimentos e concertos com participações de grande nomes do cenário musical: Carlos Giovanny, Daniel Murray, Eduardo Isaac, Elodie Bouny, Fábio Zanon, Gora Krivokapic, Julio Lemos, Ken Murray, Luis Leite, Luisa Lacerda, Marco Pereira, Marco Teruel, Marius Gundersen, Paulo Bellinatti, Paulo Marteli, Pedro Franco, Rafael Thomaz e Yamandu Costa.

As transmissões acontecerão das 14 às 19 horas pelo YouTube, no canal do NEV UFRJ. Os interessados podem se inscrever acessando AQUI.

E para aplaudir, desde já, o grande homenageado da II Jornada do Violão, vamos ouvir Marco Pereira executando uma de suas composições: "O Choro de Juliana". Nesta apresentação realizada no palco do Instrumental Sesc Brasil, em show que ocorreu no Teatro Anchieta do Sesc Consolação, dia 18 de março de 2013, o violonista é acompanhado por de Bebê Kramer, no acordeão, e Guto Wirtti, no contrabaixo. Desfrute.

8 de julho de 2021

Grupo Terno Mineiro volta a se apresentar em happy hour com Choro e Samba ao vivo.

Para quem anda com saudade de um momento musical ao vivo, nesta quinta (08/07) é o dia de colocar o coração para bater no ritmo do Terno Mineiro. O grupo voltou com tudo e apresenta um repertório de Samba e Choro instrumental, a partir das 19 horas, no happy hour da Cervejaria Cultura.

Com nova flexibilização anunciada pela Prefeitura de Belo Horizonte, que entrou em vigor desde o último sábado (3/7), ficaram liberados shows, teatros, congressos e outros eventos em Belo Horizonte. 

Outra novidade é que bares e restaurantes, que já estão funcionando, poderão também ter música ao vivo, com os mesmos protocolos de antes e descritos em Portaria publicada. Aproveite com responsabilidade e todos os cuidados sanitários necessários.


SERVIÇO
Samba e Choro instrumental, ao vivo, com o grupo Terno Mineiro
Data: 08 de julho 2021
Horário: 19 horas
Local: Cervejaria Cultura - Rua Itapeva, 115 - Bairro Concórdia
Couvert artístico: R$8,00
Informações e reservas: (31)998904539

Aprendendo Construção Melódica com Hamilton de Holanda: hoje em aula online e gratuita.



Já parou pra analisar uma melodia que você gosta muito e tentar entender o que passou pela cabeça/coração do compositor na hora da criação? Entender a construção de uma melodia é algo que alimenta a inteligência musical e a inspiração para compor e improvisar. Quais escalas, arpejos, ritmos, intervalos e silêncio? 
Em uma Aulive que acontece nesta quinta (08/07), o bandolinista e compositor Hamilton de Holanda vai destrinchar, ao vivo, uma melodia muito bonita e com a construção perfeita. Um Tom pra Jobim, de Sivuca e Oswaldinho. Bora estudar com o mestre. A aula acontece a partir das 19 horas, com transmissão pelo  canal Hamilton de Holanda no Youtube. Imperdível.

Bossa Criativa disponibiliza a série de oficinas "Casa do Choro". O conteúdo já soma 40 videoaulas gratuitas, ministradas pelos principais chorões contemporâneos.


O "Bossa Criativa – Arte de Toda Gente", projeto assinado pela Fundação Nacional de Artes – Funarte e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), tem como palco a internet e reúne apresentações e capacitação, em diversas formas artísticas e de economia criativa. São mais de 180 artista e educadores, de várias regiões do país, em apresentações, oficinas de capacitação e lives. Mais de 200 horas de conteúdo já estão no ar, com foco na diversidade, inclusão e democratização da cultura.
Dentro desse vasto conteúdo, o projeto está disponibilizando imperdíveis oficinas dedicadas ao universo do Choro. Os episódios que compõem as oficinas da série "Casa do Choro" apresentam a história, prática e performance do Choro, de perspectivas que tratam do gênero desde seu período de surgimento no século XIX até os dias atuais.

                             "Furiosa Portátil"                          

Através da oficina "Furiosa Portátil", a Casa do Choro disponibilizou 14 videoaulas. Todas as músicas analisadas nesta oficina foram reunidas num CD gravado em 2014 pela Orquestra Furiosa Portátil, formada por alunos e professores da Escola de Música da UFRJ. Além de ligados à Casa do Choro, alguns dos compositores que marcam presença nesta oficina estão entre os mais atuantes do cenário popular brasileiro: Bia Paes Leme, Cristóvão Bastos, Jayme Vignoli, Luciana Rabello, Marcílio Lopes, Mauricio Carrilho, Paulo Aragão e Pedro Paes. Confira mais detalhes e acesse as aulas AQUI.


   Casa do Choro | 8 com Mauricio Carrilho 

Este conteúdo é composto por 12 videoaulas derivada da coleção de CDs “8 com”, de Mauricio Carrilho, com músicas de sua autoria executadas pelo próprio compositor e por solistas convidados. 
Nas aulas, o compositor analisa cada uma dessas peças, salientando características interpretativas e relacionadas aos diversos gêneros do universo do Choro. Todas as aulas serão ilustradas com a gravação da música escolhida e sua respectiva partitura. Confira mais detalhes e acesse as aulas AQUI



   Casa do Choro | Personagens do Choro  

Personagens do Choro (Princípios do Choro) é composta por 14 videoaulas onde os principais chorões contemporâneos ensinam sobre grandes nomes  que marcaram a história do choro no Brasil:

- Henrique Alves de Mesquita, por Jayme Vignoli

Nesta aula, o cavaquinhista Jayme Vignoli sobre aquele que talvez possa ser considerado como o mais antigo compositor do universo do choro, nascido em 1830, destacando para algumas passagens de sua biografia e de algumas características de sua obra. 

- Chiquinha Gonzaga, por Leonardo Miranda - O flautista Leonardo Miranda, trata de uma figura absolutamente ímpar da vida musical e da sociedade brasileira do século XIX, Chiquinha Gonzaga, destacando muitas de suas lutas na música e fora dela, e a importância de sua atuação para a fixação de características do choro e da música brasileira.
- Joaquim Callado, por Leonardo Miranda - Neste vídeo, Leonardo Miranda nos fala sobre o primeiro grande flautista popular brasileiro, Joaquim Callado, destacando sua importância inestimável no abrasileiramento da polca, e trazendo um breve panorama sobre as flautas utilizadas na época.
- Ernesto Nazareth, por Paulo Aragão - Nesta aula, o violonista fala sobre um dos compositores brasileiros mais importantes de todos os tempos, Ernesto Nazareth, destacando a forma como o compositor sintetizou de forma engenhosa em seu piano as transformações rítmicas que aconteciam nas ruas do Rio de Janeiro, e traçando um breve panorama de sua obra.
- Anacleto de Medeiros, por Jayme Vignoli - Neste vídeo, Vignoli fala do paquetaense Anacleto de Medeiros, compositor dos mais notáveis no final do séc. XIX e talvez o mais icônico diretor musical da história das bandas de música do Brasil, fundador da Banda do Corpo de Bombeiros, com a qual realiza gravações notáveis na década de 1900.
Mário Álvares, por Luciana Rabello - A cavaquinhista Luciana Rabello fala sobre Mário Álvares, um compositor de obra tão rica quanto desconhecida, destacando o impacto de sua atuação junto a outros compositores extraordinários, como Anacleto de Madeiros, Pixinguinha e Donga.
- Pedro Galdino, por Pedro Aragão - O bandolinista Pedro Aragão nos apresenta Pedro Galdino, compositor da célebre polca “Flausina”, que de alguma forma representa bem o típico compositor do choro em fins do séc. XIX: negro, de classe média baixa, operário. A aula analisa trechos de uma gravação histórica realizada na década de 1910.
- Irineu de Almeida, por Pedro Aragão - Irineu de Almeida foi mais do que o mestre de Pixinguinha, mais do que um notável trombonista e oficleidista, mais do que um pioneiro do contraponto popular do choro. Foi também um compositor de mão cheia, de obra marcante. O bandolinista Pedro Aragão discorre, nesta aula, sobre todas essas características desse personagem essencial de nossa música.
- Lulu Cavaquinho, por Luciana Rabello - Nesta aula, a cavaquinhista Luciana Rabello nos apresenta a um dos pioneiros do cavaquinho brasileiro: Luiz Carlos Santos Faria, o Lulu Cavaquinho, que atuou como compositor e de quem restaram algumas gravações pioneiras da década de 1910.
- Galdino Barreto, por Luciana Rabello - Neste vídeo, Luciana Rabello traz mais um pioneiro do cavaquinho brasileiro: Galdino Barreto, o “Mestre dos mestres” (segundo definição de Alexandre Gonçalves Pinto), professor de Mario Álvares e compositor inspirado.
- Nelson Alves, por Luciana Rabello - Nelson Alves foi um dos grandes companheiros de Pixinguinha e Donga, um cavaquinhista virtuose e compositor excepcional, autor de um clássico do repertório do choro: “Mistura e manda”. Nesta aula, Luciana Rabello nos conta sobre a vida e sobre o cavaquinho deste grande mestre.
- Donga, por Jayme Vignoli - Nesta aula, o cavaquinhista Jayme Vignoli nos conta sobre Ernesto dos Santos, o Donga, que forma ao lado de seus companheiros inseparáveis Pixinguinha e João da Baiana uma das mais notáveis “santíssimas trindades” da música brasileira. Cavaquinhista e violonista muito atuante, foi um compositor inspirado, com obra que vai muito além do icônico “primeiro samba gravado”, Pelo Telefone.
- Alexandre Gonçalves Pinto, o Animal, por Pedro Aragão - Nesta aula, Pedro Aragão fala sobre um livro imprescindível, maior referência da música carioca do século XIX: “O Choro – reminiscências dos chorões antigos”, lançado em 1936 por um modesto carteiro e músico amador, Alexandre Gonçalves Pinto, o “Animal”. 
- Os copistas, por Jayme Vignoli - Nesta aula, o cavaquinhista Jayme Vignoli nos fala sobre o inestimável trabalho de alguns músicos, profissionais e amadores, que salvaram grande parte do repertório do choro no século XIX através de coleções de cadernos de partituras manuscritas. Dentre eles, se destacam figuras quase anônimas Frederico de Jesus, Candinho Silva, Arnaldo Correa, Patrocínio Gomes, Mário Peixoto e Quintiliano Pinto. Confira mais detalhes e acesse as aulas AQUI


Essas aulas, assim como todos os demais conteúdos, estão disponibilizados gratuitamente no site www.bossacriativa.art.br. Confira estes e acompanhe os lançamentos.

7 de julho de 2021

"Levando a vida na flauta": estratégias de estudos para flautistas(ou não) é o tema de palestra gratuita com Alef Caetano.

 

O Projeto VivaMúsica recebe nesta quarta, 07/07, às 17h20min o flautista Alef Caetano, vencedor do "VII Concurso Jovens Solistas da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais". Ele irá proferir palestra gratuita, com transmissão online. O tema será: "Levando a vida na flauta": estratégias de estudos para flautistas(ou não).

Criado em 2002, o Projeto VivaMúsica da Escola de Música da UFMG engloba um conjunto de atividades articuladas entre si: organização de palestras e concertos semanais vinculados a uma disciplina da graduação e abertos ao público em geral: Série VivaMúsica; visita monitorada de alunos do ensino fundamental e médio da rede pública de ensino; série de concertos que acontecem no Conservatório da UFMG e no Teatro Cariúnas; produção de programas de rádio a partir do material gravado nos concertos e gravação em áudio e vídeo das palestras e concertos disponibilizados na Biblioteca da EMUFMG.

Confira no canal do VivaMúsica no you tube.

6 de julho de 2021

Acervo do Bandolim Brasileiro promove a Semana Evandro do Bandolim. O primeiro episódio é na casa de Jacob.


O Acervo do Bandolim Brasileiro está promovendo a Semana Evandro do Bandolim. As transmissões iniciaram nessa segunda (05/07) trazendo como primeiro episódio: "Evandro na Casa de Jacob do Bandolim". 

Josevandro Pires de Carvalho, conhecido como Evandro do Bandolim, compositor e bandolinista brasileiro de choro nasceu em 19 de março de 1932, em João Pessoa (Paraíba). Com 13 anos já frequentava as rodas de choro, ao lado de seu professor Luperce Miranda. Gravou cerca de vinte discos incluindo um editado na França ("Le Bandolin Brésilien par Evandro").
Foi convidado a participar de gravações e shows com músicos brasileiros de renome como Borba, Jamelão, Nelson Gonçalves, Altamiro Carrilho, Elza Soares, Elizeth Cardoso, Sivuca, entre outros.
Desde a segunda metade dos anos 1960 na cidade de São Paulo, Evandro e Seu Regional, juntamente com o Conjunto Atlântico e, depois, Isaias e seus Chorões, destacaram-se entre os grupos na defesa do Choro na Pauliceia. Evandro do Bandolim foi um notável nome das noites da cidade trabalhando, por exemplo, no boêmio Bar Jogral.
Evandro do Bandolim foto: Divulgação
À época, nos anos 1970 e 80, tomou parte de vários programas televisivos, especialmente aqueles produzidos na TV Cultura. Deu aulas de instrumento na tradicional Loja Del Vecchio. Pelo seu regional passaram vários músicos importantes como Manoelzinho da Flauta, José Pinheiro do violão, Lucio França, cavaquinho, Silvio Modesto, ritmo, José Reli, pandeiro, Luizinho 7 cordas, entre outros.
Após o seu falecimento, em 30 de outubro de 1994, em São Paulo, o espaço onde se pratica há anos uma roda de choro na Contemporânea, no bairro de Santa Ifigênia, foi batizado de Sala Evandro do Bandolim em sua homenagem. É um dos mais importantes redutos do choro paulista.

O ABB - Acervo do Bandolim Brasileiro é uma coletânea digital dedicada à pesquisa e divulgação da biografia de bandolinistas brasileiros. Com a missão de registrar, documentar, promover a pesquisa e ampliar o conhecimento a respeito da forma de tocar o Bandolim no Brasil, o Acervo busca apresentar conjunto documental reunido a partir de fontes impressas, sonoras e audiovisuais, assim como relatos de músicos bandolinistas. Com a coleta e publicações de áudios, vídeos, textos e imagens em redes sociais, abordando assuntos gerais que estejam diretamente ligados ao instrumento, o acervo visa retratar aspectos da formação e consolidação de uma “Prática do Bandolim Brasileiro", seus intérpretes, compositores, métodos de ensino, trabalhos acadêmicos, partituras e curiosidades, dentre outros.

Ouça  a seguir o primeiro episódio em áudio gravado em 1955 por Jacob do Bandolim e acompanhe a Semana Evandro do Bandolim diretamente no canal Acervo do Bandolim Brasileiro