Estante







DICIONÁRIO CRAVO ALBIN DA MÚSICA BRASILEIRA
Com cerca de nove mil verbetes e em constante atualização, a versão on-line do Dicionário Cravo Albin é uma obra de referência para os estudiosos da música popular brasileira. 
Clique na imagem e acesse diretamente o Dicionário e todos os seus verbetes.



COMPOSIÇÃO INSTANTÂNEA - APONTAMENTOS SOBRE IMPROVISAÇÃO
AUTOR: ALVARO WALTER

"Vivenciando a música por muitos anos como instrumentista e compositor, Alvaro Walter sempre colocou como desafio a improvisação musical, simplesmente porque ela oferece ao instrumentista a oportunidade de expressar a sua habilidade criativa.
Improvisando apenas intuitivamente, foi procurando opiniões de músicos improvisadores, ouvindo gravações e adquirindo métodos capazes de direcioná-lo no caminho de uma improvisação menos empírica.
Resolveu, então, apresentar esses apontamentos para fixar os conceitos aprendidos e transmiti-los a outros interessados na "arte da improvisação".

O autor Alvaro Walter é compositor, arranjador, saxofonista, autor de trabalhos didáticos sobre arranjo, harmonia e improvisação, ex-regente da Sociedade Musical União XV de Novembro (Mariana, Minas Gerais), colaborador benemérito da Banda do 4º Batalhão da Polícia Militar de Minas Gerais, solista do Grupo Chorocultura (Uberaba, Minas Gerais), bacharel em Ciências Econômicas e Administração de Empresas (FCETM), licenciado em Ciências Exatas (UCMG), inscrito na Ordem dos Músicos do Brasil.
Os interessados em adquirir o livro, lançado através da Editora CLUBE DE AUTORES, podem fazê-lo acessando o link: http://www.alvarowalter.com.br/


PENSADORES DO CHORO

Com o objetivo de fomentar e incentivar a produção literária de novos autores brasileiros, voltada para o gênero musicalchoro, a #e-ditora] e a Revista do Choro promoveram, em 2014, o primeiro edital Pensadores do Choro (cujas informações divulgamos na ocasião, aqui no blog).

Durante dois meses, a #e-ditora] recebeu muitos textos de autores de todas as regiões do país e, após minuciosa análise, apresentamos neste livro os dois trabalhos vencedores do edital.
Na categoria Crônicas e Memórias, o paraibano de 27 anos, Sergio Aires, instrumentista, professor de flauta e chorão, foi contemplado com o texto Tudo culpa do choro.
Na categoria Instrumentos, com o texto O choro marajoara de Adamor do Bandolim e um breve relato da história do choro no Pará, Vanessa Trópico, 34 anos, cavaquinista e pesquisadora externa do Grupo de Estudos Amazônicos da Universidade Estadual do Pará foi a contemplada.
Os textos contemplados são o resultado da experiência, vivência, aprendizado, amor e paixão de dois instrumentistas brasileiros pelo choro.
Do Pará, extremo Norte do Brasil, de onde muito pouco, ou quase nada nos chegam de notícias do choro, se desvela um cenário marajoara riquíssimo culturalmente onde o mestre Adamor do Bandolim, com seu jeito único de compor choro, nos mostra que o gênero nunca foi tão vivo na terra mais cabocla do território brasileiro.
Do Nordeste, vem a experiência didática e de vida de um jovem professor, que ao descobrir o Brasil fora do Brasil, na África, hoje é um difusor entusiasta da história de seu país, atuando em um projeto de valorização da cidadania através da música para jovens de comunidades em situação de risco social da Paraíba, especificamente João Pessoa.
Os dois textos convergem para a latente necessidade de criarmos mecanismos eficazes e plenos para perpetuar a linguagem musical e didática do universo do choro. As dificuldades do chorão do Marajó e o conclame do professor paraibano para que façamos métodos musicais com o legado do choro mostram o quanto ainda há por ser feito para que nossos chorões e estudantes de música possam vivenciar seu pertencimento ao Brasil de forma plena. Um, com a tranquilidade de que sua obra está resguardada e outro com, a certeza do aprendizado eficaz e sem deformações culturais. O Brasil onde o choro “é a alegria da tristeza que sorri e se lamenta”, onde se ensina e aprende generosamente de verdade. Este é o Brasil contido neste livro. Um Brasil de Pensadores do Choro.

O edital contemplou também o artista gráfico paulista Reynaldo Berta, que ilustra a capa do livro com sua arte. Os interessados em adquirir o livro podem fazê-lo acessando o link: http://portaldaeditora.com.br/lancamentos/livro-pensadores-do-choro/


OBRA COMPLETA DE ERNESTO NAZARETH - EDIÇÃO CRÍTICA

Ernesto Nazareth (1863-1934) é um dos pilares da música brasileira, cada vez mais reconhecido pela comunidade internacional de músicos, pesquisadores e apreciadores. Sua vasta obra de 211 músicas está agora disponível em uma edição crítica inédita, organizada em seis volumes, realizada a partir de uma revisão minuciosa em manuscritos autógrafos e primeiras edições. A revisão, embasada em critérios musicológicos rigorosos, foi feita pelos pianistas Alexandre Dias e Sara Cohen, especialistas na obra de Ernesto Nazareth, e que muito têm feito pela preservação de sua memória.

Todas as alterações editorais foram explicitadas em notas críticas no final de cada volume, indicando o compasso que foi alterado, e incluindo uma justificativa musicológica para a alteração. É sabido que edições de partituras de Ernesto Nazareth e de outros compositores brasileiros contêm um número expressivo de erros históricos editoriais. O projeto tem como objetivo apresentar uma edição altamente confiável de suas obras para músicos e pesquisadores de todo o mundo. Os princípios musicológicos utilizados para a revisão estão explicitados em notas introdutórias detalhadas.

Cada volume contém 36 composições, dispostas em ordem cronológica, de modo que o primeiro volume é dedicado às obras da juventude, e o último às obras da maturidade. Um glossário ao final de cada volume explicita o significado de todas as abreviaturas utilizadas tanto nas notas críticas quanto nas partituras. Todos os álbuns são bilíngues, com textos em português e inglês.

Para este projeto, os editores contaram com o apoio imprescindível do biógrafo-herdeiro Luiz Antonio de Almeida, que  forneceu manuscritos autógrafos que não estavam presentes em outros acervos, do Instituto Moreira Salles, mantenedor do Acervo Ernesto Nazareth, e que também forneceu acesso a todos os manuscritos em sua guarda, e da Biblioteca Nacional, que mantém o maior acervo de manuscritos de Ernesto Nazareth.
Esta é a primeira edição crítica da obra completa de um compositor brasileiro.

Volume 1
Revisão embasada em critérios musicológicos: Alexandre Dias e Sara Cohen
Editora: Choro Music
Inclui: 36 partituras
Nº de páginas: 276


GAROTO - O GÊNIO DAS CORDAS
ORGANIZAÇÃO: MÁRIO ALBANESE

Parte integrante da Coleção Memória e Sociedade, da Sesi-SP Editora, o livro .“Garoto – O Gênio das Cordas” foi idealizado e organizado por Mário Albanese, maestro, professor de música, advogado, jornalista e membro catedrático da Academia Internacional de Música (AIM), entre outras instituições. A obra traz novas informações sobre Anibal Augusto Sardinha – Garoto – um dos mais importantes instrumentistas da música brasileira e se apresenta como uma homenagem ao mestre que está reverenciado por meio de ensaios preciosos dos amigos –  Mário Albanese, Raphael Musitano Pirágine e Ivo Araújo. Esses ensaios revelam um Garoto além dos instrumentos e do seu virtuosismo como compositor e instrumentista.
Ano de lançamento: 2014
Editora: SESI -SP
Nº de páginas: 120
Acompanha um CD com 9 canções



O LENDÁRIO PIXINGUINHA
AUTOR: SEBASTIÃO BRAGA


Sebastião Braga, autor do livro "O lendário Pixinguinha",  era locutor de rádio e iniciou sua carreira em Nova Friburgo, prosseguindo-a em Niterói, no Rio de Janeiro, e em São Paulo. Atuou  na imprensa escrita e falada na famosa “era do rádio", em importantes emissoras, onde  apresentou programas ao vivo e trabalhou com Júlio Louzada, Nino Prates, Normando Lopes, Collid Filho, José Saleme, Raul Zanoni, Abelardo Barbosa (Chacrinha) entre outros; além de conviver com famosos artistas e compositores como Benedicto Lacerda, Ary Barroso, Pixinguinha e Herivelto Martins.
Em 1969, Braga iniciou uma pesquisa biográfica, tomando notas, apontamentos e registros diretamente daquela fonte autêntica que foi o grande Pixinguinha. Embora modesto, Pixinguinha não se furtava a colaborar com o pesquisador, às vezes dizendo: “Estou cansado de contar a todos as mesmas histórias…” O jornalista, porém, não desanimava. Queria trazer novos depoimentos, talvez inéditos, e insistia nas indagações…
A obra "O lendário Pixinguinha", lançada em edição comemorativa do Centenário do compositor, em 1997, é assim descrita pelo próprio autor: "é um trabalho despretensioso, embora pesquisado diretamente na fonte original que foi o focalizado, o grande, o imortal músico brasileiro, glória merecida nos seus dias de boêmio não bissexto, mas diuturno, no convívio com dezenas de amigos, e nos seus lazeres do Bar Gouveia, quando na Travessa do Ouvidor…
(…) para músicos fornece subsídios da riqueza melódica do compositor, expondo alguns trechos de obras que podem, depois, ser ampliados e “descobertos” quando a música brasileira voltar a ser amada como o foi há 50, 60 anos passados…
(…) tive a honra e o prazer de ver minhas publicações sobre o compositor lidas por ele e aprovadas, pois de todos os artigos que escrevi sobre o músico e mestre, lhe dei cópias.
N.E. Esta dedicatória nos emocionou, ao ser encontrada. Estávamos em uma reunião na fase preparatória do livro, na casa do autor. Ela estava por dentro do plástico que cobria a capa de um disco antigo – tipo LP. Começava com uma pauta musical e foi grafado em um guardanapo do Bar Gouveia. Entre outros documentos importantes este é “do próprio punho de Pixinguinha para o autor”, escrito no momento em que o músico lhe devolveu os originais do livro que acabara de ler.

Ano de Lançamento: 1997 ( Edição Comemorativa do Centenário – 1997) - Edição especial para pesquisadores, estudiosos e colecionadores.
Preço sob consulta - editora.muiraquita@gmail.com




ERNESTO NAZARETH 150 ANOS - MELODIA & CIFRA
INSTITUTO MOREIRA SALLES
ADAPTAÇÕES: PAULO ARAGÃO E MARCÍLIO LOPES

O Instituto Moreira Salles, guardião do acervo de Ernesto Nazareth, lançou um site que propõe a ser um alicerce para quem busca saber mais sobre o compositor. Na página, tem-se acesso a diferentes fontes de pesquisa. Entre elas esta recente publicação que traz em dois volumes, adaptações no formato melodia & cifra contendo mais de 120 músicas de Ernesto Nazareth, feitas especialmente para o site por Paulo Aragão e Marcílio Lopes. A seleção contempla diversas obras primas do compositor, e inclui pérolas menos conhecidas do grande mestre.
Para fazer download, clique nas capas.

 





A OBRA DE GAROTO PARA VIOLÃO: O RESULTADO DE UM PROCESSO DE MEDIAÇÃO CULTURAL.
AUTOR: HUMBERTO JUNQUEIRA

Dissertação apresentada ao programa de mestrado da Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais, como requisito parcial à obtenção do título de mestre em performance musical. 
Área de concentração: Música. 
Orientador: Flávio Terrigno Barbeitas. 
Belo Horizonte 
Escola de Música da UFMG 
2010
Leia a tese










PELOS TANGOS DE NAZARETH - DA RÍTMICA AFRICANA À SÍNCOPE BRASILEIRA
AUTOR: TÂNIA MARA LOPES CANÇADO


Livro da pianista e concertista Tânia Lopes Cançado comemorativo aos 150 anos de nascimento do compositor Ernesto Nazareth. Na obra,  a autora faz uma análise comparativa sobre a influência africana na formação dos ritmos populares das Américas no período colonial, apresentando uma síntese de sua tese de Doutorado defendida na Universidade de Shenandoah (EUA) intitulada “Uma Investigação sobre os ritmos africanos e haitianos no desenvolvimento da Habanera Cubana, do Tango/Choro Brasileiro e do Ragtime Norte-Americano  - 1791-1900”. Neste trabalho ela analisa como a música africana influenciou de forma diversa a música popular nas Américas do Sul, do Norte e Central, dando origem a ritmos diferentes, mas com uma base comum e no livro mostra a importância de Ernesto Nazareth na sistematização desses ritmos, em especial a síncope afro-americana, que caracterizam hoje os padrões rítmicos da Música Popular Brasileira.

Ano de Lançamento: 2013 ( 1ª edição em encadernação acompanhada do CD "Tributo a Ernesto Nazareth").






O CAVAQUINHO ENCANTADO DE WALDIR AZEVEDO
AUTOR: ANA CLÁUDIA CÉSAR

O cavaquinho, instrumento apaixonante e que é considero o mais brasileiro de todos, merecia esta homenagem, um estudo dedicado, profundo, técnico e emocionado feito por quem vive com ele e por ele em seu dia a dia. Ana Claudia, professora, pesquisadora e exímia instrumentista, integrante do Grupo Choronas, teve a sensibilidade de perceber a lacuna que havia na literatura dedicada a esse cordofone.
Escolheu com convicção, como não poderia deixar de ser, o maior nome dentre todos: Waldyr Azevedo, quem simplesmente reinventou o cavaquinho. Creio que podemos dividir a história deste simpático instrumento em antes e depois de Waldir Azevedo. Coube a ele, mesmo sem intenção ou ideia pré-concebida, como bem descreve a autora em suas linhas, a iniciativa de acrescentar a função de solista a quem apenas tinha a função de acompanhar.
Sua importância como compositor é tão grandiosa quanto à do virtuose que foi. Suas composições percorreram o mundo nas mãos de inúmeros intérpretes. Através do próprio Waldir, eu soube de uma caixinha de música encontrada no Oriente Médio com a melodia de Delicado. Não existe cavaquinista que não toque suas composições ou que não as conheça e admire.
Vanguardista que foi transformou a maneira de compor chorinhos, até então obedientes à forma tradicional de choros de três partes, criando obras de apenas duas partes. Waldir não se prendeu à formação tradicional dos chamados conjuntos regionais e inovou em seus discos com novas formações incluindo instrumentos até então não utilizados em discos de choro. Ele não se prendia a regras, se rendia à sua intuição, à sua musicalidade.
A sonoridade que tirava do instrumento e o sentimento com o qual interpretava suas composições eram coisas únicas, vindas do fundo do
coração, divinais.
Este livro, profundo mergulho na carreira deste mestre, é uma viagem na qual a autora visita e desvenda o artista ímpar que foi Waldir Azevedo, sua carreira, sua obra, e que deixou para nós, cavaquinistas, e músicos em geral, um legado especial e imortal. Por este e vários outros motivos, os quais vocês perceberão através da leitura deste livro, tenho certeza que, doravante, será fonte obrigatória para as pesquisas de estudantes, profissionais, estudantes da história da música e, particularmente, dos que se interessam por este pitoresco instrumento.
Curtam com os olhos, ouvidos e com o coração O Cavaquinho Encantado de Waldir Azevedo pela encantadora cavaquinista Ana Claudia César.

Por: Alceu Maia



CHORANDO NA GAROA - MEMÓRIAS MUSICAIS DE SÃO PAULO
AUTOR: JOSÉ DE ALMEIDA AMARAL JÚNIOR


Para resgatar a história do choro no Brasil, o professor universitário e mestre em políticas de educação, José de Almeida Amaral, lança o livro “Chorando na garoa – memórias musicais de São Paulo”. 
Segundo o autor: “Se trata de um livro sobre música, sobre cultura brasileira, mas que aplica as bases da análise socioeconômica e política, porque a arte brota desse chão, das relações sociais . O choro é um bom exemplo de expressão cultural que o Estado deveria colocar seus olhos e estimular a prática e o estudo, por ser um patrimônio brasileiro”, argumenta.
Na primeira parte do livro, Amaral faz uma breve discussão com base bibliográfica sobre o cenário socioeconômico do país ao longo do século XIX. A reforma urbana, a vinda de novos instrumentos e músicas estrangeiras e a abolição do tráfico de escravos no Brasil deram início ao surgimento do choro, já que possibilitou a emergência de novas classes sociais. Daí em diante, o gênero musical deu origem aos seus principais personagens. Em seguida, apresenta uma visão resumida do contexto sócio-econômico da cidade de São Paulo e também das manifestações musicais que influenciaram e caracterizaram o choro paulista. Segue um levantamento dos nomes históricos do choro local. Um trabalho inédito, conforme é facilmente perceptível por pesquisa bibliográfica.
O livro traz verbetes explicativos sobre gêneros como o samba, o frevo, o jongo, o tango brasileiro, entre outros, assim como aborda, também, a vida dos seresteiros, de profundo vínculo com os chorões paulistas.
Para a segunda parte do livro, há 42 entrevistas com músicos, cantores e personagens participantes das rodas de choro em diversos pontos da cidade. O objetivo dessas entrevistas, envolvendo diferentes idades, foi coletar depoimentos pessoais sobre sua vida, carreira, influências, formas de tocar, arranjos, personagens, locais, eventos importantes e aspectos diferenciais do choro em São Paulo em relação a outros locais onde esse gênero se manifesta. Entre os entrevistados estão os renomados músicos brasileiros Izaías Bueno de Almeida, Laércio de Freitas, Toninho Carrasqueira, Milton Mori, entre outros. O livro ainda conta com o prefácio do produtor musical e criador do programa Ensaio, da TV Cultura, Fernando Faro.
O Autor
José de Almeida Amaral Júnior é professor universitário na área de ciências sociais. Economista, pós- graduado em Sociologia e mestre em políticas de educação. Estudou clarinete na Universidade Livre de Música do Estado de São Paulo com o Maestro Portinho e o Maestro Roberto Bomílcar. Foi membro do grupo Choro & Canção do SESC/SP Consolação. É colunista da Rádio 9 de Julho AM, do Jornal O São Paulo, do Jornal Cantareira e do Jornal Mundo Lusíada.






O CHORO EM BELO HORIZONTE - ASPECTOS HISTÓRICOS, COMPOSITORES E OBRAS
AUTOR: MARCOS FLÁVIO DE AGUIAR FREITAS

Artigo apresentado ao programa de Pós Graduação da Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais, como requisito parcial à obtenção do Mestre em música no ano de 2005.
Orientador: Prof. Doutor Fausto Borém
Co Orientador: Prof. Doutor Radegundes Feitosa
Editora: Biblioteca Digital UFMG:   leia a tese 









ESCOLA MODERNA DO CAVAQUINHO
AUTOR: HENRIQUE CAZES

Completo e atualizado método de cavaquinho que aborda a aplicação do instrumento em diferentes ritmos, concepções de solos e acompanhamentos, além de trazer todos os acordes possíveis nas afinações Ré-Sol-Si-Ré e Ré-Sol-Si-Mi. O livro também conta a história do instrumento, comenta o seu desenvolvimento na música brasileira e traz uma lista variada de canções cifradas para treinametno do músico.
MÉTODO DE ESTUDO
EDITORA: Irmãos Vitale
NÚMERO DE PÁGINAS: 68





CHORO DO QUINTAL AO MUNICIPAL
AUTOR: HENRIQUE CAZES
Prefácio de Hermano Vianna

A trajetória do choro de 1845 até jhoje, narrada com profundo conhecimento.
"A história da cultura instrumental mais desenvolvida da música brasileira sob a ótica de um historiador que tem a vantagem de ser praticante do gênero." (Mauro Dias, O Estado de S. Paulo)

NÚMERO DE PÁGINAS: 232
EDITORA: Editora 34







O VIOLÃO E AS LINGUAGENS VIOLINÍSTICAS DO CHORO
AUTOR: CARLOS WALTER

O violão contribuiu (e vem contribuindo) decisivamente nos processos de estruturação e desenvolvimento da música brasileira. É o que este livro de Carlos Walter buscou enfatizar ao expor os conteúdos da sua oficina de capacitação violonística para o projeto de educação musical do Clube do Choro de Belo Horizonte. Repleto de temas que reclamam didatismo e maior publicidade como estrutura do choro, ergonomia, luteraria, notação, harmonia funcional, performance, propriedade intelectual, sonorização e tocabilidade, lança mão de uma base sólida de referências reunidas para despertar o leitor às linguagens violonísticas do Choro e favorecê-lo em seus estudos musicais. Na primeira parte da obra, o autor trata do violão sobre seus diversos aspectos e temáticas importantes com referência ao instrumento e também ao instrumentista. Na segunda, o violão de 6 cordas ganha destaque, assim como o gênero Choro quanto à sua estrutura, forma, harmonia, improvisação, arranjo, noções e recursos técnicos adicionais além de tratar dos diálogos do choro com outras linguagens. Na terceira parte, discorre sobre temas relacionados ao exercício profissional. Nos anexos, disponibiliza um modelo de ementa para oficinas violinísticas. Nas referências, reúne densa fonte de estudos. E no índice remissivo direciona e otimiza a leitura mediante palavras-chaves, organizadas por ordem alfabética.
São 154 páginas de muita informação, resultantes de intensa pesquisa e estudos, com importante conteúdo para alunos, docentes, estudiosos e apreciadores do Violão e do Choro.

NÚMERO DE PÁGINAS: 159
EDITORA: Clube de Autores



JOAQUIM CALLADO - O PAI DO CHORO
AUTOR: ANDRÉ DINIZ

Precursor de flautistas da linhagem de Pixinguinha, Callado foi conhecido por ser criador de um gênero musical carioca - o choro. Mas a história de vida do compositor, nascido em 1848 e que viveu apenas 32 anos, ainda é pouco conhecida. Amigo e incentivador de Chiquinha Gonzaga e considerado um rouxinol por Machado de Assis, Callado fundou o primeiro grupo de choro do país e estabeleceu a formação definitiva dos conjuntos de chorões - flauta, cavaquinho e dois violões. Esta biografia oferece ainda um panorama do choro desde a sua retomada na década de 1970, além de um inventário dos discos com as melodias do criador de 'A flor amorosa'.
NÚMERO DE PÁGINAS: 147
EDITORA : Jorge Zahar





RAPHAEL RABELO E ODEON DE ERNESTO NAZARETH: ARANJO E IMPROVISAÇÃO.
AUTOR: ALVIMAR LIBERATO NUNES

Artigo apresentado ao programa de Pós Graduação da Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais, como requisito parcial à obtenção do Mestre em música no ano de 2007.
Orientador: Prof. Doutor Fausto Borém
Editora: Biblioteca Digital UFMG:   leia a tese 










O RIO MUSICAL DE ANACLETO DE MEDEIROS- A VIDA , A OBRA E O TEMPO DE UM MESTRE DO CHORO.
AUTOR: ANDRÉ DINIZ

Anacleto de Medeiros – maestro, compositor, arranjador, instrumentista e chorão – viveu intensamente a agitação do Rio de Janeiro na virada do século XIX para o XX. É a trajetória desse gênio musical e da cidade em ebulição que André Diniz conta nesse livro, resgatando uma figura fundamental para a música brasileira. Mostra de que forma seu trabalho como maestro e fundador de bandas definiu um novo estilo no gênero e como suas composições influenciaram Villa-Lobos, Pixinguinha e Radamés Gnatalli. Revela histórias de Paquetá, onde nasceu, e o ambiente boêmio do Rio de Janeiro no qual se formou e obteve renome. O centenário de morte de Anacleto comemora-se em agosto de 2007. Inclui: mais de 70 imagens; letras de Catulo da Paixão Cearense para composições de Anacleto; discografia comentada; o que ler e ouvir para saber mais sobre o maestro e sua época; uma breve cronologia.
BIOGRAFIA
EDITORA: JORGE ZAHAR


PARTITURAS (CLIQUE NA IMAGEM PARA ACESSAR O ARQUIVO)