29 de maio de 2013

Grupo "ANGENOR" faz homenagem a CARTOLA, no Projeto Pizindim - Choro no Palco.

Grupo Angenor - Foto: Divulgação
O grupo "Angenor" se apresenta na próxima segunda-feira, 03 de maio, no Projeto Pizindin - Choro no Palco. 
Com o show "Angenor Toca Cartola" o grupo faz uma homenagem ao Poeta e ao Regional do Canhoto. 
Angenor de Oliveira, conhecido como Cartola e falecido em 1980, é, certamente, um dos mais expressivos compositores da história de nossa grande música popular. A qualidade de suas melodias e letras é um dos maiores exemplos da capacidade criativa de nossa cultura popular. 
E é parte dessa obra que o grupo de samba e choro "Angenor" (o nome já é uma homenagem) irá apresentar em seu show.

O "Angenor" é formado por:
Daniel Rosa - violão de 7 cordas
Ton Guimarães – voz
Jaime Vinicius – cavaquinho
Rubens Costa – pandeiro


SERVIÇO:
"ANGENOR toca CARTOLA"
Homenagem ao Poeta e ao Regional do Canhoto no PROJETO PIZINDIN – CHORO NO PALCO
Local: Conservatório UFMG – Av. Afonso Pena, 1534 – Centro BH/MG
Entrada: R$15,00 (inteira) R$7,00 (meia-entrada)
Ingressos vendidos no dia do show a partir das 19hs
Info: 3409-8300

24 de maio de 2013

"Sesc Chorinho e Samba na Praça": Marcos Frederico e Grupo Senta a Pua! se apresentam na Praça do Papa.

Já sabe o que fazer no fim de semana? O Sesc Chorinho e Samba na Praça animará neste domingo, 26 de maio, na capital. A edição acontecerá a partir das 11h da manhã, na Praça do Papa, e apresentará shows do músico Marcos Frederico e do grupo Senta a Pua!. A apresentação é gratuita e aberta a todos os públicos. 
Projeto lançado em 2012, o Sesc Chorinho e Samba na Praça apresenta programação de música brasileira em locais públicos da capital e interior, oferecendo estrutura técnica e novos espaços de apresentação para artistas mineiros. Com shows abertos ao público em geral, o projeto incentiva a promoção do trabalho de novos artistas junto a artistas consagrados e a ocupação dos espaços públicos com cultura de qualidade. O repertório das bandas contempla os gêneros canção e instrumental. A cada evento duas bandas se apresentam, sendo uma de chorinho e a outra de samba, sem que exista ordem definida de apresentação. Há interação entre bandas renomadas no segmento e novos artistas.


Marcos Frederico  -  Foto: Divulgação Site oficial
MARCOS FREDERICO
É bandolinista, compositor, integrante do grupo Siricotico, produtor musical em seu estúdio e também sócio efetivo do CLUBE DO CHORO DE BELO HORIZONTE.
Em janeiro de 2013 lançou seu 3º álbum intitulado Entoando Loas. Participou de importantes eventos nacionais e internacionais como o FIT-BH (2013); 16ª Cúpula de Mercocidades em Montevidéu (2011); 3º Festival Instrumental de Guarulhos-SP (2009); 9° Festival Tudo é Jazz em Ouro Preto-MG (2010) e, Festival Musique Du Monde, em Paris (2011). Em 2008, realizou temporada de quatro shows com o grupo Belo Choro, na semana de Belo Horizonte em Buenos Aires. Produziu seu primeiro álbum em 2007, intitulado Sinuca Tropical, lançado no Brasil e na França, com apoio do Clube do Choro de Paris. Vencedor dos prêmios: XI Prêmio BDMG Instrumental em 2011 e eleito melhor instrumentista da décima edição do mesmo prêmio em 2010.



Senta a Pua!  -  Foto: Patrícia Albuquerque
SENTA A PUA!
Desde 2007, o Senta a Pua! se apresenta em casas de shows de Belo horizonte e interior de Minas com a proposta de revitalizar o choro e o samba de gafieira. A construção de novos arranjos e a linguagem contemporânea tem conquistado tanto antigos frequentadores das gafieiras, quanto jovens que estão descobrindo o samba a dois.
Em sua trajetória, o grupo acumula apresentações ao lado de artistas renomados como Paulo Moura, Zé da Velha e Silvério Pontes, Elza Soares, Eduardo Neves e Juarez Moreira. Atualmente, o grupo encontra-se em fase de pré-produção do CD de estreia, que contará com arranjos e produção musical do saxofonista e arranjador carioca Eduardo Neves.
O grupo é formado por Gilberto Jr. (trompete), Leonardo Brasilino (trombone), Pablo Malta (cavaquinho e bandolim), Bruno Vellozo (baixo), Gustavo Grieco (bateria) e Rodrigo Torino (violão de 7 e direção musical) e conta com a participação especial de Harrison Santos (sax e flauta) e Fábio Martins (percussão) neste show.

Fonte: Divulgação SESC MG

SERVIÇO
Evento: Sesc Chorinho e Samba na Praça em Belo Horizonte
Data: 26/05
Local: Praça do Papa, Bairro Mangabeiras.
Horário: 11h
Entrada gratuita

23 de maio de 2013

MOSTRA "NOVA MÚSICA INSTRUMENTAL MINEIRA" OFERECE OFICINAS GRATUITAS.

Foto: Divulgação

Depois de uma série de shows em Belo Horizonte no último mês de outubro, a Mostra Nova Música Instrumental oferece agora oficinas gratuitas para músicos da cidade. As oficinas acontecem nos dias 27, 28 e 29 de maio (segunda, terça e quarta), durante a manhã, tarde e noite, na Casa Una (R. Aimorés, 1451, Funcionários). A iniciativa é uma ação paralela ao festival Conexão BH, que acontece de 29 de maio a 2 de junho na capital mineira.

A diversidade de programas e ementas é uma das características dessa iniciativa. Assim como na Mostra, as oficinas passeiam pelas diversas possibilidades do gênero. No campo da música brasileira,as oficinas trazem aprendizados com dois associados do Clube de Choro de Belo Horizonte: violão de sete cordas com Lucas Telles e violão no choro com Carlos Walter.

LUCAS TELLES - O VIOLÃO DE 7 CORDAS NA MÚSICA BRASILEIRA
A oficina abordará através de exemplos históricos, como foi o início da utilização do violão de 7 cordas no Brasil e o desenvolvimento de sua linguagem, ao longo de mais de 100 anos de uso, até os dias de hoje. Serão mostradas fotos e gravações de vários períodos deste processo, sendo descrita a importância dos maiores ícones deste instrumento e abordadas as atuais tendências da forma de tocar o violão de 7 cordas. A oficina terá livre participação de seus ouvintes com perguntas e comentários e exemplos práticos serão constantemente trabalhados em conjunto no seu decorrer.

CARLOS WALTER - O VIOLÃO NO CHORO
Oficina sobre as linguagens violonísticas do choro com abordagem geral dos seguintes temas: história, estrutura e variações rítmicas do choro, principais intérpretes e compositores, arranjos exemplificativos, exercícios e mecanismos técnicos de tocabilidade, dicas de performance e prática de conjunto.

Entre as oficinas instrumentais também será ofertada a de pandeiro, com Túlio Araújo. Cantores e cantoras não ficam de fora e podem se aprofundar na oficina de “Voz como instrumento”, de Leopoldina. Completam a programação os cursos de Afrojazz com Mateus Bahiense, Improvisação Livre com Felipe José e Introdução à Alquimia Sonora com Leandro César.
As oficinas da Mostra Nova Música Instrumental são realizadas pela Agência Cultural Ultrapássaro. 

Confira a programação completa de oficinas, link e pré-requisitos para inscrições e outras informações clicando aqui.
Outras informações: (31)9285.9016

Fonte: Divulgação/ mostrainstrumental.com

20 de maio de 2013

TOCA DE TATU FAZ SHOW DE LANÇAMENTO DE SEU PRIMEIRO CD: "MEU AMIGO RADAMÉS".



O  Grupo TOCA DE TATU formado por Abel Borges (percussão), Lucas Ladeia (cavaquinho), Lucas Telles (violão) e Luísa Mitre (piano) faz no próximo sábado,  o show de  lançamento de seu primeiro CD intitulado “Meu amigo Radamés". O show acontece na Sala Juvenal Dias (Palácio das Artes) às 20 hs e contará com a participação especial da percussionista Natália Mitre.
Neste trabalho, o grupo apresenta a síntese de um trabalho de pesquisa e estudo dedicado à obra do compositor, maestro e arranjador Radamés Gnattali. Composto em sua maioria por músicas de Gnattali, o disco traz também obras de Tom Jobim e Paulinho da Viola, compositores que homenagearam o maestro. O repertório apresenta a riqueza de gêneros e ritmos presentes na música brasileira, tais como choro, valsa, maxixe, foxtrote, schottisch e samba. Os arranjos foram criados pelo grupo, pensando sempre nas possibilidades de instrumentação e respeitando as ideias originais dos compositores. O refinamento camerístico e a brasilidade são características marcantes da sonoridade do show, que permitirá ao público reviver e se emocionar com a obra do maestro brasileiro.



O Toca de Tatu nasceu, em Belo Horizonte, da união de jovens instrumentistas que têm como proposta construir um trabalho de redescoberta e valorização da música brasileira de todos os tempos, elaborando arranjos e composições próprias. Desde então, procura trilhar um caminho peculiar no cenário da música instrumental.
Toca de Tatu - Foto: Fabiano Campbell
O grupo tem como referência primária o Choro e toda a riqueza musical desta linguagem. Porém não se limita a ela, buscando uma abordagem inovadora e somando outras linguagens trazidas de experiências e influências musicais que cada integrante carrega.
A valorização das memórias e da versatilidade da música instrumental, a constante pesquisa de repertório e de interpretação da música brasileira em seus mais variados gêneros e as influências do erudito e do popular são características encontradas na música feita pelo Toca de Tatu. Além disso, a busca pelo refinamento timbrístico, pelo cuidado com os arranjos e pela originalidade e criatividade são nuances presentes na identidade criada pelo Grupo.

Fonte: Divulgação Toca de Tatu

Serviço:
Show: Toca de Tatu - lançamento do CD "Meu amigo Radamés"
Data:  25 de maio
Horário: 20h00
Local: Sala Juvenal Dias - Palácio das Artes -  Belo Horizone
Ingressos no local

Data: 31 de maio
Horário: 19h30
Local:  Sala Paulo Moura - Centro de Referência da Música Carioca - Rio de Janeiro
Ingressos no local

17 de maio de 2013

"Mico Estrela" em "O Choro na Linha do Tempo". Segunda, no Projeto Pizindin - Choro no Palco.



Nesta segunda-feira, 20 de maio, o grupo Mico Estrela se apresenta no Projeto Pizindin-Choro no Palco, mostrando o show "O choro na linha do tempo" . Nesta apresentação estarão presentes Agostinho Paolucci no violão de sete cordas, Luiz Pinheiro na flauta e Rubens Costa no pandeiro.

Luiz Pinheiro, Rubens Costa e Agostinho Paolucci  - Foto: divulgação
"Em "O Choro na Linha do Tempo", o grupo "Mico Estrela" mostra a evolução da linguagem do choro ao longo do tempo. O princípio do choro é representado pela música de Anacleto de Medeiros e Ernesto Nazareth, na transição dos séculos XIX e XX. A seguir, vem o maxixe de Pixinguinha e Bonfiglio de Oliveira, presente nas décadas de 1930 e 1940. Pixinguinha aparece também como representante da fase seguinte do choro, junto a Jacob do Bandolim e Rossini Ferreira. Radamés Gnattalli abre o caminho para o choro moderno de Sivuca, Cristovão Bastos, Paulinho da Viola, Tom Jobim e Maurício Carrilho. 
O grupo Mico Estrela, formado há cerca de um ano, tem um vasto repertório de choros, maxixes, polcas e valsas. Nele aparecem choros célebres, mas, principalmente, choros menos conhecidos e choros modernos, uma vez que a proposta do grupo é a divulgação desse material. Além de um repertório original, o grupo tem desenvolvido uma linguagem própria na execução do choro, com particular interesse pela improvisação. O bicho que dá nome ao grupo guarda semelhanças com o choro. Ambos são encontrados em várias regiões do Brasil, no meio urbano e rural. Assim como o mico estrela ainda sobrevive mesmo com a redução das matas, o choro se mantém e evolui mesmo com pouco espaço de divulgação na mídia. 

Agostinho Paolucci - Violão de sete cordas: O violonista e compositor iniciou seus estudos em música na Fundação de Educação Artística e posteriormente ingressou no curso de composição da UFMG. Estudou violão com Guilherme Paolielo e Mauricio Carrilho (RJ), entre outros. Gravou junto ao grupo Corta Jaca dois álbuns independentes: Corta Jaca (2005) e Mina de choro (2007), e o DVD documentário "Na levada do choro, um almanaque musical" (2005). Toca violão de sete cordas no grupo de samba Copo Lagoinha desde a sua fundação em 1998, realizando centenas de apresentações musicais. 

Luiz Pinheiro - Flauta: Bacharel em flauta pela UFMG e mestre em ciência da computação pela mesma instituição, elaborou dissertação em computação musical. Foi, por oito anos, professor de flauta na Fundação de Educação Musical onde participou ativamente do movimento de música contemporânea promovido naquela instituição. Há cerca de 8 anos dedica-se ao trabalho de pesquisa, execução e improvisação no choro.

Rubens Costa – pandeiro: atua em diversas frentes musicais em Belo Horizonte. Como percursionista pesquisa ritmos tradicionais brasileiros como o choro, o samba, o forró e outros gêneros da cultura mineira e nordestina. Além do grupo piolho de cobra é integrante do tradicional regional Pedacinhos do Céu, acompanhando assim importantes instrumentistas do cenário do choro brasileiro.
Os espetáculos do Projeto Pizindin _ Choro no Palco se realizam às segundas-feiras, sempre às 20hs, com exceção da última segunda-feira de cada mês.

Fonte: Divulgação - Projeto Pizindin-Choro no Palco


Serviço
Data: 20 de maio de 2013
Horário: 20hs
Entrada: R$15,00 (inteira) R$7,00 (meia-entrada)
Ingressos vendidos no dia do show a partir das 19hs
Local: Conservatório UFMG – Av. Afonso Pena, 1534 – Centro BH/MG
Info: 3409-8300

13 de maio de 2013

Lucas Telles vence 13ª Edição do Prêmio BDMG Instrumental e é apontado como uma das promessas da música instrumental mineira.


Foto: Élcio Paraíso


A 13ª edição do Prêmio BDMG Instrumental, realizado pelo BDMG Cultural, em Belo Horizonte, foi marcada pela participação de músicos jovens, que se destacaram pela precoce qualidade de suas composições, arranjos e técnica. Dentre os quatro premiados está o violonista Lucas Telles, de 24 anos, que iniciará a programação de shows dos vencedores em Belo Horizonte, no Teatro da Biblioteca Pública, e no Instrumental Sesc Brasil, em São Paulo. O acesso é gratuito. 
Selecionado por uma comissão independente, composta por músicos e jornalistas da área como Cristóvão Bastos, Léa Freire, Zé Nogueira, Célio Balona e Patrícia Palumbo, Lucas Telles surpreendeu com a sonoridade de seus arranjos. O músico optou por uma formação que incluiu piano, cavaquinho, violão e percussão, proporcionando uma sonoridade atraente aos ouvidos do público e dos jurados. “É uma alegria ter sido um dos quatro vencedores do XIII Prêmio BDMG Instrumental. Há alguns anos acompanho a premiação e considero a qualidade das apresentações de alto nível, com excelentes músicos e talentos promissores”, afirmou o violonista. Vale ressaltar que no final de maio, o músico lançará o primeiro CD do seu grupo Toca de Tatu, “Meu amigo Radamés”, na capital mineira e no Rio de Janeiro. 
Como premiação, Lucas Telles recebeu R$9.000,00 e a produção de shows em Belo Horizonte e São Paulo. A primeira apresentação será na capital mineira, dia 11 de junho, às 20 horas, no Teatro da Biblioteca Pública Luiz de Bessa. Na ocasião, o violonista se apresentará ao lado de um convidado especial. Em seguida, Lucas embarcará para terras paulistas, para se apresentar no dia 24 de junho, no Teatro Anchieta, no SESC Consolação. 
O presidente do Clube do Choro de BH, Jonas Cruz, afirmou que o clube está muito honrado por ter um jovem musicista de grande talento como Lucas Telles entre seus associados. Para celebrar esta importante premiação, o Clube está preparando uma homenagem especial ao instrumentista. Relembrou ainda que os associados Marcos Frederico, Humberto Junqueira e Warley Henrique também receberam a mesma premiação em edições passadas do BDMG Instrumental, reforçando assim que o choro tem marcado presença no podium deste concorrido festival.

Além de Lucas Telles, foram premiados na edição 2013, os músicos Pablo Passini, Rafael Macedo e Leo Eymard. Selecionados, também, pelo júri, foram eleitos o melhor instrumentista, Breno Mendonça (sax), e o melhor músico acompanhante, Bruno Vellozo (contrabaixo). O arranjo de Rafael Macedo para a composição de Tom Jobim, Inútil Paisagem, foi escolhida a melhor de toda a premiação. Sagraram-se como finalistas os músicos Sérgio Danilo e Gustavo Figueiredo.


Fonte: Assessoria de Comunicação BDMG



Serviço:
Teatro José Aparecido de Oliveira - Teatro da Biblioteca Pública Estadual
Praça da Liberdade 21 – Belo Horizonte
Data: 11 de junho de 2013 (terça-feira)
Horário: 20 horas
Acesso gratuito
Classificação Livre

Sesc Consolação – Teatro Anchieta - “Instrumental Sesc Brasil”
Rua Dr. Vila Nova, 245 – Vila Buarque – São Paulo
Data: 24 de junho (segunda-feira)
Acesso gratuito
Classificação Livre




7 de maio de 2013

"O VIOLÃO E O CHORO" COM 13 CORDAS NO PROJETO PIZINDIN - CHORO NO PALCO.



Na segunda-feira, 13 de maio de 2013 às 20hs, convidamos todos para a apresentação do duo mineiro “13 Cordas” apresentando o show “O Violão e o Choro”.
"A trajetória do violão no Brasil se confunde com a história do choro. A identidade desse gênero de contornos irrefreáveis, por vezes reduzida ao critério didático das quadraturas, também reside na linguagem dos instrumentos que permearam o seu processo de consolidação. Desde a 2ª metade do século XIX, o violão é personagem cativo nas formações típicas do choro. É o que o 13 Cordas demonstrará nessa apresentação".


13 Cordas
O 13 Cordas é um duo de violões integrado pelos músicos Carlos Walter (violão de 6 cordas) e Sílvio Carlos (violão de 7 cordas). Foi criado em 2007, para difundir as linguagens violonísticas do Choro, representar a identidade musical de nosso país e proporcionar ao público-alvo entretenimento e lazer. Seu repertório dialoga com a tradição e a contemporaneidade, abrigando composições autorais e temas de Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Villa Lobos, Garoto, Hermeto Pascoal e Tom Jobim. Em 2010 participou do VI Festival de Choro de Paris, onde realizou concerto e oficina mediante premiação do Programa de Intercâmbio e Difusão Cultural do Ministério da Cultura, e em 2012 participou da Jornada de Abertura da Temporada 2012-2013 do Clube do Choro de Paris por intermédio do edital de intercâmbio do Programa Música Minas. Saiba mais: www.myspace.com/13cordas.

Foto: Junior Conegundes
Carlos Walter (www.carloswalter.com.br) é mineiro de Uberaba, músico, associado do Clube do Choro de Belo Horizonte e autor do livro O violão e as linguagens violonísticas do choro. Atua como violonista e guitarrista em trabalhos individuais e coletivos, apresentando-se em eventos brasileiros e internacionais [I Semana de Belo Horizonte em Buenos Aires (2008), VI Festival de Choro de Paris (2010), 16ª Cúpula de Mercocidades (Montevideo, 2011) e Jornada de Abertura da Temporada 2012-2013 do Clube do Choro de Paris (2012)]. Foi premiado pelo Programa de Intercâmbio e Difusão Cultural do MinC (2010) e selecionado pela curadoria do Edital de Intercâmbio do Programa Música Minas (2012). Sua trajetória como intérprete, compositor e arranjador está registrada em vídeos e cds. 

Foto: Junior Conegundes
Silvio Carlos (www.flordeabacate.com.br) iniciou os aprendizados de violão popular com Pedro de Caux (Itabira-MG) e violão clássico com os professores Nelson Piló, Agostinho Bob e José Lucena (Belo Horizonte), se dedicando a partir de 1978 ao estudo do violão de 7 cordas e sua aplicação no choro brasileiro, ocasião em que fundou o grupo Flor de Abacate do qual é integrante, diretor musical e arranjador. Desde então, vem realizando uma extensa pesquisa sobre a música instrumental brasileira, com destaque para o choro, acumulando ao longo de sua carreira uma ecletíssima experiência, trabalhando e participando de apresentações musicais com artistas tão diversos quanto Paulinho da Viola, Fernando Ângelo, Waldir Silva, Hermínio Bello de Carvalho, Luiz Nassif, Pernambuco do Pandeiro, Geraldo Vianna, Márcio Almeida, Ronaldo do Bandolim, Paulo Sérgio Santos, Ademilde Fonseca, Joel Nascimento, Zé da Velha e Silvério Pontes dentre outros.
Desde 2012, nossas apresentações musicais são dedicadas a um compositor ou tema e apresentadas por Beatriz Myrrah, contando um pouco da história de cada homenageado e do Músico ou Grupo. Beatriz Myrrha, musicista, com passagem pelas Escolas de Música da UFMG e UEMG, é também contadora de histórias, atriz formada pelo Palácio das Artes e professora. Foi a curadora e coordenadora da Feira do Choro.

Os espetáculos se realizam às segundas-feiras, sempre às 20hs, com exceção da última segunda-feira de cada mês. O “Projeto Pizindin – Choro no Palco” é realizado pelo Conservatório UFMG com curadoria e produção de Lílian Macedo.

Fonte: Divulgação Projeto Pizindin - Choro no Palco


Serviço
“Projeto Pizindin – Choro no Palco” apresenta: “O VIOLÃO e O CHORO” com 13 CORDAS
Data: 13 de maio de 2013
Horário: 20hs
Entrada: R$15,00 (inteira) R$7,00 (meia-entrada)
Ingressos: disponíveis no dia do show, a partir das 19hs
Local: Conservatório UFMG – Av. Afonso Pena, 1534 – Centro BH/MG
Info: 3409-8300