2 de outubro de 2013

O Clube do Choro de BH se despede do associado e bandolinista Antônio Orfeu Braúna, falecido na última segunda feira.

Faleceu na segunda-feira (30), aos 70 anos, nosso associado e bandolinista, Antônio Orfeu Braúna. Advogado e músico, ele estava internado há cerca de 15 dias no Hospital Madre Tereza, na capital, devido a uma hemorragia gástrica, que se agravou. O corpo foi velado e sepultado no Cemitério do Bonfim, em BH, na presença de familiares, amigos, músicos, policiais e representantes da Ordem dos Advogados do Brasil e do Ministério Público de Minas Gerais. Ele deixa mulher e quatro filhos. 
Cidadão honorário de Belo Horizonte, Braúna formou-se em direito na Faculdade de Direito do Triângulo Mineiro, em 1970. Mestre em ciências penais pela Universidade Federal de Minas Gerais, foi professor de Direito Penal da Universidade de Itaúna e da Faculdade de Direito Milton Campos.
Em Minas, ele também foi professor de investigação e interrogatório do curso de formação de criminólogos da academia de Polícia Civil, perito criminal da Secretaria de Estado da Segurança Pública, subcorregedor da Polícia Civil e superintendente de Organização Penitenciária da Secretaria de Justiça. Como chefe da Divisão de Crimes contra a Vida – hoje Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa, Braúna foi responsável por apurar 96% dos crimes do Estado de 1976 a 1984.
Ex-jornalista, Braúna era natural de Uberaba ."Uma pessoa alegre, muito educada e brincalhona ao extremo. Tocava cavaquinho por hobby e dizia, brincando, que dirigia o grupo musical muito especial: O "Algemas de Ouro" composto por presidiários" , como nos conta o Diretor de Comunicação do Clube do Choro, Hamilton Gangana.
Um outro hobby do delegado Braúna era escrever artigos muito bem elaborados, lembrando seu tempo de jornalista. Na edição 2013 do concurso "Talentos da Maturidade", ele participou com um belíssimo texto, tendo como inspiração, o velório e a ausência de sua mãe.
Fica aqui um registro do seu talento e a homenagem do Clube do Choro de Belo Horizonte ao seu querido e eterno associado, Antônio Orfeu Braúna.